Ele cuspiu 

0
48

É a notícia da semana, ameaça ser o acontecimento do semestre, alguns fatalistas têm fé que seja o acontecimento do ano. Ele cuspiu e foi processado, tirou a saliva da boca e inspirou manifestações, pedidos de desculpas e campanhas de marketing. 

Ao longo da semana tirei notas, pensei muito neste texto, mas hoje estou a escrever no joelho, sem inspiração, coloquei três colheres de café, uma de leite e açúcar, estou a tomar, mas não consigo descrever com detalhes o que aconteceu de forma breve. Vou colocar as anotações do meu bloco, para pormenorizar o que aconteceu: 

ANOTAÇÃO 1. A QUEIXA

Ele entrou na esquadra às 15 horas, algemado. Sentou para dar o depoimento, mas quem falou foi a personagem da acusação. 

“Ele desacatou-me. Cuspiu olhando para os meus olhos azuis. Levantou os ombros, todo estiloso, estufou o peito, olhou para a saliva que jogou no chão, comparou o que cuspiu com a minha pessoa, depois esmagou”, disse o senhor de idade. 

O agente anotava indignado e apoiava as falas do acusador. “Mas que ousadia, quem ele pensa que é?”.

E foi isso, o homenzinho cuspiu e ficou 48 horas nas celas, no terceiro dia, conforme as escrituras da acusação, foi levado aos calabouços da cadeia de máxima segurança, para não ter a petulância de voltar a arremessar a sua saliva sem medir as consequências. No processo, a sua boca foi descrita como uma arma de alto calibre e a sua saliva foi categorizada como munição letal, por isso não foi autorizado a abrir a boca. 

ANOTAÇÃO 2. INOCENTADO

Na segunda semana de reclusão, sem se ter muita explicação, o acusado foi libertado. Não pagou caução, apenas foi libertado como um cão vadio paranoico, que tenta ganhar o pedigree que só poderia adquirir na próxima vida.

Na terceira semana ele cuspiu pela última vez, foi enterrado e os familiares reclamam por justiça. O caso chegou aos jornais. E a sociedade estava indignada, foi preso um inocente. Mas o que ele fez? Cuspiu. E depois? 

ANOTAÇÃO 3. TEORIA DE CONSPIRAÇÃO

Os familiares pedem autópsia, não acreditam que a morte seja natural. E as marchas que são promovidas pelas Organizações da Sociedade Civil patrocinam a motivação dos familiares, que querem que o corpo seja tirado da terra em que o finado jogou a saliva. 

“Ele cuspiu para um poderoso. Eles ainda controlam o Sistema. Não podemos aceitar que a segregação prevaleça. Temos o direito de cuspir, onde bem entendermos, é um direito que está plasmado na nossa Constituição”. 

ANOTAÇÃO 4. #INSPIRAÇÃO 

Virilizou e em todas as publicações nas redes sociais terminam com #deixem-noscuspir. Encontrei este poema escrito por um jovem entusiasta… 

CUSPIR NA CARA DA INJUSTIÇA

Tire a saliva, 

cuspa as palavras

que a escravidão negou-te 

o direito de tirar 

Cuspa as algemas, 

deixa a saliva da opressão

 ser devorada pelo chão,

a terra que conservou

 o cadáver de King, 

Malcon, Mandela. 

Deixa o líquido fermentar

na boca e arremesse contra eles 

Grita a liberdade que Noémia poetizou,

 berra a revolução dos afro-americanos 

Deixa a raiva ser 

o negro petroleio

que patrocina a nossa combustão, 

contra a opressão. 

Anotação 5. O mercado precisa desta saliva 

Antes de terminar a crónica, vi camisetas a 2 mil meticais com a marca “Cuspir é Bom”. Entrei no facebook e encontrei textos sobre o cuspe, que é o tema das prosas de todos os intelectuais de plantão.  Pausei e percebi que o texto está longo e ainda tenho uma anotação por partilhar. 

Anotação 6. A biologia 

Escutei num dos debates, um filósofo dizia que a ciência sempre procurou sempre estudar o outro. 

“Muitos tratados científicos categorizam-nos. Seres racionais lutaram para provar que a nossa racionalidade é atrasada. E está aí: ele cuspiu, um acto racional e foi preso. Se não forem esterilizadas estas mentes enferrujadas, continuaremos a ser encarcerados como subhumanos”.

Enquanto proferia as palavras, o jornalista recebeu uma indicação, entrava em directo um colega, que respondia da fachada da medicina legal. 

“O relatório da autópsia prova que o homem teve uma morte natural, causada por pneumonia por aspiração, ou seja, aspirou saliva para os pulmões, o que criou uma infecção e subsequente óbito. A autópsia precisa que Homem sofria de sialorréia, o acto de cuspir era a manifestação da uma condição médica em si. Em resumo, ele tem produção excessiva de saliva, bem acima do normal, que é de cerca de 500 ml a 2 litros por dia”, disse, para depois se despedir.

Anotação 7. Tudo passa 

Enquanto anexava a crónica, vi nas redes sociais, que existe um novo assunto: um empregado mordeu o cão do patrão. Não mordeu num local qualquer, mordeu onde não devia morder. Foi preso, não tem dinheiro para pagar caução, vai para a cadeia de máxima segurança, a sua boca é letal, tem raiva e deve estar isolado da sociedade, para evitar males maiores. Será menos um cão sem pedigree nas ruas. Ainda vai dar barulho isso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here