Alunos e professores ‘‘encontram-se’’ com a Música no Teatro Avenida

0
84
Fotografia DE José dos Remédios

A luz do palco do Teatro Avenida estava focada no piano. Solitário, o instrumento jazia ao lado de três microfones posicionados na altura média e igual número de cadeiras metálicas, durante a abertura do ‘‘Encontro com a Música’’, no Teatro Avenida.

O evento corresponde a uma plataforma de intercâmbio entre professores e alunos de música, provenientes da Escola de Comunicação e Artes da UEM, da Universidade Pedagógica e da Fundação Musiarte – Conservatório de Música e arte dramática, que se encontram para produzir, compor e interpretar músicas de diversos estilos.

Contou com a participação especial de Professores do Conservatório Agostino Steffani (Itália), Damiano Lazzaron e Mauríllo Cacciatore e das cantoras líricas Stella Mendonça e Sónia Mocumbi.

“Electro Acústica”, composto e interpretado pelo professor Maurillio Cacciatore, foi o som de abertura. O ritmo psicadélico, a misturar sons de ambiente a estilos eletrónicos, a obra propõe uma viagem a diferentes estados de espírito.

A seguir, foi a vez da pianista Kianga Paco, aluna da Fundação Musiarte, emprestar o brilho dos detalhes do vestido à noite fria. Interpretou “Sonatina Op.55 no 1 Allegro”, de Frederich Kuhlau. Do mesmo compositor, a também pianista vinda da Fundação Musiarte, Chiara Astegiano, executou “Sonatina Op.55 no1 Vivace”.

Os dedos a tatear o teclado, os olhos fixos a pauta, as costas voltadas ao público, Adrian Palacio também soltava a voz, a apresentar suas próprias composições “in love with a stranger” e “Amour de guerre” e, ainda, “Piano Man”, de Billy Joel.
Ao período Barroco, a dupla Tony Nhangale (estudante) e Queiroz Nhabomba (professor) foi levar a obra “Minuet em Mi”, de Adam Falckenhagem, para mostrá-la ao público, em cordas de Guitarra. Stella Antunes cantou ‘‘If aint got you’’, de Alicia Keys, com o baixo de Ariadna Collera e Steave Salvador.

Por sua vez, o professor e pianista Damiano Lazzaron, mostrou diversas composições, incluindo “Toccata e Ricercare a 6 voci”, da sua autoria. Também acompanhou das cantores líricas Stella Mendonça, Sónia Mocumbi e Gizela Tricamegy, que actuaram antes do grupo Vocalis Belcamo encerrar o evento.

O maior ganho é a interação entre fazedores de música

Queiroz Nhabomba é professor de Música, na disciplina de História, na Escola de Comunicação e Artes da UEM. Participou do “Encontro da Música”, subindo ao palco do Teatro Avenida na companhia de Tony Nhangale, estudante de Música na mesma instituição.

“Foi a primeira vez que me apresento em palco e, com certeza, foi uma experiência muito boa para os dois”, revela o professor.

A música, para além de arte, é ciência, continua, e permite uma união universal. “Portanto, procuramos escolher uma obra (Minuet em Mi) que estivesse a altura do evento”. Para o professor, o ambiente criado no “Encontro com a Música” é proveitoso, sobretudo para os alunos, pois, no seu entender, “eles acabam tendo uma visão ampla, que permite dar passos nas suas próprias carreiras”.

Ainda de acordo com o académico, mais do que a interação entre estudantes e alunos de música de diversas instituições de ensino, o maior ganho com o concerto é a possibilidade que a iniciativa abre para o intercâmbio internacional.

“Isto faz-nos crescer e perceber que, de certa maneira, não estamos perdidos. É um encontro que vem abrir possibilidades, pois é um vínculo que permite a mobilidade de professores e alunos nacionais para o estrangeiro e vice-versa”, disse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here