Museu Mafalala acolhe Residência Artística com jovens de seis províncias do país

0
24

Decorreu no Museu Mafalala durante todo o mês de Maio, uma Residência Artística subordinada ao tema “A literatura como exemplo de cidadania na periferia de Maputo” que reuniu sete jovens entre os 18 e 25 anos de idade, provenientes de Maputo, Cabo Delgado, Inhambane, Niassa, Sofala e Tete, com diferentes ocupações nas artes, entre dança, música, literatura e desenho.

A Residência Artística foi organizada pelo Museu Mafalala, com o financiamento da União Europeia no âmbito do Programa de Apoio aos Actores Não Estatais (PAANE), iniciativa que visa reforçar a democracia participativa, representativa e sensível ao género em Moçambique, através do envolvimento das autoridades públicas e da sociedade civil num diálogo democrático sustentável.

Neste fórum, os jovens tiveram a oportunidade de aprofundar conhecimentos sobre cidadania, sobre o papel da arte na sua construção, e sobre a história do bairro da Mafalala e sua importância na construção do país.

Na primeira etapa, a residência artística contemplou a realização de oficina de literatura e performance cuja curadoria esteve a cargo da actriz e encenadora Lucrécia Paco e do escritor e jornalista Eduardo Quive, ainda com a participação do jornalista Elton Pila e do designer e escritor Mélio Tinga.

A oficina que decorreu no Museu Mafalala percorreu o contexto histórico da literatura moçambicana no contexto de periferia, olhando sobretudo para um dos maiores poetas da história de Moçambique, José Craveirinha, em celebração do seu centenário.

A partir de Craveirinha, a capacitação olhou para a poesia como forma de intervenção social, participação e engajamento. Ainda durante a oficina literária os participantes foram submetidos a exercícios práticos sobre activismo literário, trabalho colaborativo, planificação e orçamentação, bem como a auto-publicação e edição de modo a explorarem melhor as oportunidades a nível local, mesmo confrontados com a falta ou escassez de recursos.

Com Lucrécia Paco, os participantes mergulharam na arte da performance, aprendendo a usar a arte, para expressar não só a sua criatividade, mas também a transmissão assertiva das mensagens através das suas obras de arte.

Na segunda etapa, a residência artística esteve focada no trabalho sobre a vida e obra do fotojornalista Ricardo Rangel, e do artista plástico e poeta Malangatana Valente Ngwenya; dois contemporâneos de José Craveirinha.

Neste capítulo, o historiador e docente universitário, Rui Laranjeira, orientou sessões sobre o contexto histórico, social e político da época em que José Craveirinha, Noémia de Sousa, Malangatana e Ricardo Rangel viveram. Esta acção contou com a colaboração do Centro de Documentação e Formação Fotográfica, que para além de fazer uma resenha da vida e obra de Ricardo Rangel, ofereceu um curso de fotografia aos participantes da residência artística. Ainda nesta jornada de formação, a Casa Museu Malangatana proporcionou aos jovens artistas uma viagem ao íntimo e familiar de Malangatana Valente Ngwenya.

Refira-se que o financiamento da União Europeia, a Associação IVERCA poderá locar recursos a vários actores sociais, entre colectivos e singulares, para a realização de um conjunto de actividades culturais, entre festivais de arte, concertos, formações, debates e seminários, exposições, oficinas, concursos, entre outras actividades, sempre com o intuito de promover a reflexão sobretudo nos jovens, sobre cidadania e maior participação do cidadão nos processos de desenvolvimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here