África do Sul em destaque na abertura do Sakifo

0
137
BONGEZIWE MABANDLA E TIAGO CORREIA PAULO

Bandas e músicos sul-africanos em peso no primeiro dia do Festival Sakifo, que de hoje até domingo irá decorrer em Saint-Pierre, na Ilha Reunião, numa edição em que nenhuma banda moçambicana estará presente.

BCUC, Rádio Sechaba, Bokani Dyer, Stogie T Bongeziwe Mabandla são os projectos do país vizinho que que irão inaugurar este que é um dos maiores festivais de música da região, sendo que este ano terá um formato reduzido a cinco palco, contra os sete de 2019.

Texas, Ami Yerewolo, Kristel, DJ Sebb, Aleksand Saya, Tiken Jah Fakoly, BLK JKS, Blakkayo, Daloner, Justin Adams & Mauro Durante, KanaseL, Synapson Live são outros músicos alinhados para hoje.

Na conferência de imprensa, decorrida no Hotel Saint-Pierre, na manhã de hoje, a promessa foi viver o momento e transmitir a “beauty”, que acreditam ser a razão de fazerem o que fazem. E um dos projectos com o qual tivemos uma conversa foi o do Bongeziwe Mabandla, do qual é integrante, tanto enquanto produtor, assim como multi-instrumentista moçambicano, Tiago Correia Paulo, provavelmente conhecido no país por ter integrado os 340 ml.

“Pensamos em fazer uma ilha no centro do palco, estaremos muito próximos um do outro, para não dispersar a atenção das pessoas para explorar melhor a singularidade da voz dele”, esclareceu Tiago Correia Paulo, explicando como será a performance, a qual a composição da luz foi também tomada em consideração para que tenha o efeito que pretendem.

Os dois músicos, que já se apresentaram em Maputo, num formato acústico na Biblioteca da Fundação Fernando Leite Couto e na Sala Grande do Centro Cultural Franco-Moçambicano, apresentaram o seu primeiro trabalho conjunto em 2017 ao lançarem o álbum “Mangaliso”, (que significa “maravilha” ou “milagre”). Três anos depois, trouxeram a superfície “Iimini” (“dias”), que estava previsto para ser lançado em Maputo, no dia 23 de Março de 2020.

“Quando terminamos o “Immini”, dissemos a Record label que nós vamos lançar em Moçambique”, contou Correia, que a razão de tal opção residia no facto de estar consciente que “é uma construção muito moçambicana”.

Os samples, prosseguiu, foram gravados em Maputo. Há um, de uma trompete, que foi gravado em frente do quartel militar, há sons de cães da cidade capital e dos morcegos do Jardim Tunduro.

Mantendo o título na sombra, disse que os dois já têm um álbum pronto, gravado no período da pandemia, num processo diferente ao que estão habituados, o de envio dos materiais através da internet. Antes da pandemia, viviam muito próximos e o processo de escolhas de instrumentos e outras questões de produção eram feitas em conjunto.

“Fico a me perguntar se as pessoas vão entender este trabalho, que é estranho”, assume o Tiago, que o descreve como “um álbum mais artístico, de experimentação e harmonia”, no qual se explora de forma mais profunda e diferente das anteriores a nova voz de Bongeziwe Mabandla.

O novo álbum, narrou, não é dominado pela guitarra, como já nos tinha habituado o músico sul-africano que já conta oito anos de carreira. Há músicas que iniciam com um lupe e um sintetizador. E ele está a pôr voz em cima desse lupe.

A expectativa é que nesta performance, apresentem um repertório composto pelas músicas dos dois álbuns que já fizeram juntos e que, a semelhança do que o “Mbenga” viu em Maputo, possa transmitir a emoção que a música do Bongeziwe Mabandla transporta, até porque, nas suas performances há uma certa expressividade corporal para trazer a audiência a atmosfera das mensagens que pretende transmitir.

“As coisas que fiz e aprendi na vida, de algum modo, está incorporado na minha música”, disse o vocalista sul-africano, a responder se o facto de ter feito um curso de teatro influenciava na sua performance. Concluiu dizendo “arte é encontrar beleza no mundo, ter uma conexão com as pessoas”. E o palco proporciona esse momento.

Artigo anteriorRadja Ali fez a festa do IOMMA
Próximo artigoFrank Paco e Tiago Correia Paulo. Dois moçambicanos no Sakifo.
É licenciado em Jornalismo, pela ESJ. Tem interesse de pesquisa no campo das artes, identidade e cultura, tendo já publicado no país e em Portugal os artigos “Ingredientes do cocktail de uma revolução estética” e “José Craveirinha e o Renascimento Negro de Harlem”. É membro da plataforma Mbenga Artes e Reflexões, desde 2014, foi jornalista na página cultural do Jornal Notícias (2016-2020) e um dos apresentadores do programa Conversas ao Meio Dia, docente de Jornalismo. Durante a formação foi monitor do Msc Isaías Fuel nas cadeiras de Jornalismo Especializado e Teorias da Comunicação. Na adolescência fez rádio, tendo sido apresentador do programa Mundo Sem Segredos, no Emissor Provincial da Rádio Moçambique de Inhambane. Fez um estágio na secção de cultura da RTP em Lisboa sob coordenação de Teresa Nicolau. Além de matérias jornalísticas, tem assinado crónicas, crítica literária, alguma dispersa de cinema e música. Escreve contos. E actualmente, é Gestor de Comunicação da Fundação Fernando Leite Couto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here