Cleyde, Laliana e João vencem Concurso Literário Nó da Gaveta

0
181

Cleyde Pamela, representante da Zona Norte, João Baptista, da Zona Centro, e Laliana João Mahumane, da Zona Sul, venceram o Concurso Literário Nó da Gaveta.

O anúncio feito na segunda-feira, através das redes sociais do projecto, destaca a qualidade dos três contos, nomeadamente “O Sonho de Chinguana”, “As Aventuras de Manuelito” e “O outro lado das flores”, respectivamente.

As três obras, foram escolhidas após um escrutínio minucioso e renhido de sete textos finalistas, sendo quatro textos para Zona Sul, dois para Zona Norte e apenas um para a Zona Centro, não encontrando, por insuficiência de qualidades técnico-literárias um texto para a Zona Norte e os outros dois para a Zona Centro.

Os vencedores do Concurso Literário Nó da Gaveta têm entre 19 e 30 anos de idade, e são residentes das províncias de Nampula, Manica e Maputo.

Cleyde Pamela tem 20 anos de idade, nasceu e reside na cidade de Nampula. É uma Jovem apaixonada por artes e literatura, escreveu seus primeiros versos aos 12 anos que nunca chegaram a ser divulgados. Actualmente frequenta o Curso de Licenciatura em Arquitetura e Planeamento Físico.

Já João Baptista, de 30 anos, nasceu em Mwanza, Malawi. Registado sob o Posto Administrativo de Zóbuè, distrito de Moatize, província de Tete e reside em Manica. Venceu, em 2010, na Escola Secundária Geral Macombe – Gondola o concurso de redacção da SADC.

O jovem participou da antologia Memórias do Idai, uma colecção de crónicas literárias que resultou de um concurso promovido pela Editora Fundza. Participa em antologias nacionais e internacionais. Em 2021, seu texto “Os vendedores de sol e lua” foi um dos 12 selecionados para a Oficina de Ficção Narrativa organizado pela Fundação Fernando Leite Couto.

João Baptista tem escrito prefácios de livros e tem apresentado obras literárias de alguns escritores emergentes da Literatura Moçambicana.

Laliana João Mahumane, por seu turno, tem 19 anos e reside na cidade de Maputo. Jovem apaixonada por literatura, escreve desde os 15 anos. Apesar de ser apaixonada por literatura, é também apreciadora de artes.

No mesmo ano, fez parte de um grupo de dança e canto na escola em que frequentava. É membro de um grupo denominado Despertador da Mente, que visa a consciencialização de adolescentes e jovens sobre alguns assuntos relativamente a essa faixa etária. Actualmente, frequenta o Curso de Licenciatura em Ciência Política na Universidade Eduardo Mondlane.

Para além das obras vencedoras, o júri apontou os contos que assumem a segunda posição, merecedoras de menções honrosas. São, neste caso, A mão: a fibra para costurar a natureza, de Bapstista Américo (Zona Norte) e O Paíto e as panelas, de Teté Manuel Timana (Zona Sul).

As obras atribuídas menções honrosas, entretanto, não serão contempladas em publicações, pelo menos nesta fase do concurso. A posterior, segundo a organização, serão envidados esforços para a sua edição.

Recorde-se que o Concurso Literário Nó da Gaveta foi lançado a 18 de Agosto e distingue três trabalhos inéditos de ficção, sendo um no sul (Maputo, Gaza e Inhambane), outro no centro (Manica, Sofala, Tete e Zambézia) e outro ainda no norte (Nampula, Niassa e Cabo Delgado). As três obras premiadas, representando uma região do país cada, serão editadas pela Kuvaninga cartão d’arte, com recurso a capas de cartão reaproveitado.

A iniciativa é da Associação Cultural Nkaringanarte, em parceria com a Kuvaninga cartão d’arte, Helpo Moçambique e Associação Literária Kulemba, com o financiamento do PROCULTURA – Promoção do emprego nas actividades geradoras de rendimento no sector cultural, nos PALOP e em Timor-Leste, financiado pela União Europeia, co-financiado e gerido pelo Camões I.P., e co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, e pretende premiar e publicar três obras autênticas no universo da literatura infanto-juvenil.

Artigo anteriorO livro precisa ser mais barato – Eduardo Agualusa
Próximo artigoFESTIVAL MAPUTO FAST FORWARD 2021 Cosmopolíticas & Afrotopias são os objectos deste ano
É licenciado em Jornalismo, pela ESJ. Tem interesse de pesquisa no campo das artes, identidade e cultura, tendo já publicado no país e em Portugal os artigos “Ingredientes do cocktail de uma revolução estética” e “José Craveirinha e o Renascimento Negro de Harlem”. É membro da plataforma Mbenga Artes e Reflexões, desde 2014, foi jornalista na página cultural do Jornal Notícias (2016-2020) e um dos apresentadores do programa Conversas ao Meio Dia, docente de Jornalismo. Durante a formação foi monitor do Msc Isaías Fuel nas cadeiras de Jornalismo Especializado e Teorias da Comunicação. Na adolescência fez rádio, tendo sido apresentador do programa Mundo Sem Segredos, no Emissor Provincial da Rádio Moçambique de Inhambane. Fez um estágio na secção de cultura da RTP em Lisboa sob coordenação de Teresa Nicolau. Além de matérias jornalísticas, tem assinado crónicas, crítica literária, alguma dispersa de cinema e música. Escreve contos. E actualmente, é Gestor de Comunicação da Fundação Fernando Leite Couto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here