FESPACO: Dezessete filmes competem para celebrar cinema africano

0
49

Arrancou neste sábado, na capital do Burkina Faso, o Festival Pan-africano de Cinema e Televisão de Ouagadougou (FESPACO), que coloca em competição 17 filmes para o prêmio principal no maior festival de cinema e TV da África. 

O FESPACO 2021 – Festival Pan-africano de Cinema e Televisão de Ouagadougou ou Festival panafricain du cinéma et de la télévision de Ouagadougou – acontecerá na capital de Burkinabe de 16 a 23 de outubro. Foi inicialmente definido para 27 de fevereiro a 6 de março, mas foi adiado por causa da pandemia de coronavírus.

Dezessete longas-metragens foram escolhidos entre 1.132 inscritos para a competição principal do festival, disputando o Garanhão de Ouro de Yennenga para melhor filme.

O evento deste ano é um “desafio para mostrar que apesar da situação de saúde o continente continua a criar, a sonhar, a poder enfrentar os males que afetam nossas sociedades”, disse o diretor do festival, Alex Moussa Sawadogo, em uma cerimônia de apresentação.

Os diretores dos 17 filmes vêm de 15 países da África, embora haja apenas um do país anfitrião, Burkina Faso. O Egito tem dois candidatos, e há um de Angola, Camarões, Chade, Costa do Marfim, Lesoto, Marrocos, Namíbia, Nigéria, Ruanda, Senegal, Somália, Tanzânia e Tunísia.

A categoria de curta-metragem inclui 29 inscrições, tanto de ficção quanto de documentários, sendo cinco do Burkina Faso e quatro do Senegal. A categoria de séries televisivas tem 17 participantes.

Um júri internacional liderado pelo produtor mauritano Abderrahmane Sissako, que venceu o cobiçado Cesar da França em 2015 por “Timbuktu”, selecionará o vencedor no dia 23 de outubro.

Criado em 1969, foi inicialmente denominado Festival Pan-Africano de Cinema e Televisão de Ouagadougou. Evoluiu para um evento reconhecido e respeitado internacionalmente, seguido de perto pelas indústrias cinematográficas dos Estados Unidos e da Europa, que procuram no evento novos filmes, talentos e ideias.

Alimata Salambere, ministra da cultura de Burkina Faso de 1987 a 1991, foi uma das fundadoras do festival. Em sua terceira edição, em 1972, o festival foi batizado de FESPACO, mantendo o título completo de Festival pan-Africain du cinema et de la television de Ouagadougou.

O FESPACO foi reconhecido formalmente como instituição por decreto governamental em 7 de janeiro de 1972. Sua cerimônia de premiação e base de operações é Ouagadougou, capital de Burkina Faso, onde também é realizada a cerimônia anual de premiação.

De acordo com suas regras, os filmes escolhidos para a competição devem ser feitos por africanos e predominantemente produzidos na África. O governo prometeu fazer todo o possível para proteger os festivaleiros.

Burkina Faso tem sido golpeado nos últimos seis anos por ataques jihadistas do vizinho Mali – o epicentro de uma insurgência brutal que começou em 2012 e também atingiu o Níger.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here