Maluzhane Bila mostra Phandar na Kulungwana

0
21

O artista plástico Maluzhane Bila propõe uma reflexão sobre o modo de vida das classes sociais pobres, menos escolarizadas, na sua primeira exposição individual, PHANDAR, a inaugurar na Galeria Kulungwana, no dia 15 de Julho, pelas 14.30.

Na mostra que estará aberta ao público de 16 de Julho até ao dia 6 de Agosto, obedecendo as limitações sanitárias prevalecentes, segundo Pompílio Gemuce, curador da exposição, o artista apresenta abordagens intelectuais.

PHANDAR, prossegue Gemuce, representa “a alma estética de Maluzhane, ditando regras e posturas de toda a acção onde assistimos à mistura de habilidades técnicas, paisagens políticas, antropológicas, sociológicas, económicas, mas acima de tudo.”

A tradução do título de algumas línguas Bantu do sul do país para português é Desenrascar a Vida ou seja, a capacidade de não obstante as circustâncias adversas do quotidiano, encontrar soluções para seguir alimentando a família ou a si próprio, no caso de quem vive sozinho.

O curador observa que “desenrascar é um modo de encarar o trabalho artístico,  […] sendo um mote ou o conceito, onde a arte de sobrevivência, vira uma ciência de produção artística que se desenrola em negociar, reutilizar, trocar, analisar, assumir, integrar, existir e resistir”.

Esta mostra, lê-se no comunicado de imprensa que o “Mbenga” recebeu, resulta duma intensa actividade de pesquisa, que se desdobrou por várias conversas informais, entrevistas individuais e recolha de histórias de vida nos bairros periféricos da cidade de Maputo.

“Usando preferencialmente o metal e o plástico, representando o primeiro o sentido de resistência, a necessidade de não rendição num desafio de sobrevivência, e o segundo o “lado boémio, vaidoso, frágil, descartável, fútil e o lado teatral extremamente presente numa vida de poucos recursos”.

Maluzhane Bila nasceu em Maputo, em Dezembro de 1988, tendo, desde bastante cedo, usado  “desperdícios”  dos trabalhos de carpintaria e serralharia para produzir os seus objectos. Frequentou a Escola Nacional de Artes Visuais e, posteriormente, o curso superior de Gestão e Estudos Culturais pelo Instituto Superior de Artes e Cultura (ISArC). Actualmente, reside e trabalha na cidade de Madrid, Espanha, onde a busca por diálogos interculturais é parte do seu processo de trabalho fora de África.

Esteve presente em alguns importantes eventos artisticos no país, como são a Bienal TDM e o concurso “Descobertas” e, mais recentemente, participou na exposição virtual Latitudes Art Fair, através da Galeria Arte d’Gema na Africa do Sul, bem como na exposição Viagem sem Fronteiras, patente no expaço Go, go, go Maputo – Art Fair, na cidade de Maputo.

Ainda no âmbito da exposição, será realizada uma aula aberta – Resistir para continuar a existir: A escultura e seus agenciamentos a partir da exposição PHANDAR, a realizar-se no ISArC, a 16 de Julho, pelas 10,00 horas, sendo transmitida em directo nas redes sociais da Kulungwana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here