Whisky velho

0
107
Whiskey still life Painting de Paul Hardern

Por: Pedro Pereira Lopes

Um homem guardava uma garrafa de whisky velho para uma ocasião especial. Desde que a comprara, no estrangeiro

uma bebida de requinte, era um luxo de impossível existência no país, na época,

havia dez anos, que só lhe diminuíra um duplo, para certificar-se da qualidade,

e viu que era excelente.

Um dia, o homem recebeu um alto dignitário do Estado em sua casa. O visitante, um proeminente político e doutor, tinha feito os estudos na Europa e sabia, de certeza, apreciar os prazeres delicados. Havia alegria na casa, que honra sem par era aquela. Depois do jantar, com as vozes e o fumo de charutos de Cuba na atmosfera, o hospedeiro serviu dois copos da sua garrafa de whisky (fez mesmo questão de dispensar o auxílio da esposa e dos empregados).

Brindaram ao projecto do país que estava a ser construído.

Doutor, está a sentir o mesmo que eu, perguntou o homem.

Sim, respondeu o outro. Não é whisky! É chá!

E um insulto pesado ficou suspenso no ar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here