“Da garagem para o mundo” no Kugoma

0
396

A génise do sucesso urbano Gran Man é retratada no documentário “Da garagem para o mundo” realizado pelo fotógrafo, director de filmes e criativo Mário Cumbana, a ser exibido em três sessões do Kugoma.

Este filme será reproduzido nas redes do Centro Cultural Franco Moçambicano 26 no dia deste mês, na noite seguinte nas da NETKANEMA  e a 28 do Agosto, no KUGOMA, às 20.00 e 20.00 horas, respectivamente.

O registo de onze minutos e vinte e nove segundos, narra, através de declarações dos integrantes da banda Gran Mah, a sua fundação e a garagem onde ensaiavam em  2009, quando o percurso começou.

Mário Cumabana

“Fizemos um documentário com os membros da banda a contar como é que eles conheceram-se”, contou, a descrever a curta-metragem.

Era para ter sido incluido no DVD do conjunto de dub music, fenômeno de algumas tribos urbanas de Maputo e não só. Mas não foi possível e vai para o festival. “É o começo de um caminho que pretendo seguir”, revelou Mário Cumbane.

Sem muitos detalhes, disse-nos que os próximos passos são instalações de vídeo, documentários na direcção de quem pretende edificar uma carreira artística.

“Há coisas que quero fazer há muito mas não me dava tempo, algumas ideias que eu tenho aqui comigo e já não as consigo guardar”, assumiu na entrevista que concedeu ao “Mbenga”.

GranMah é uma banda de Dub Reggae Fusion de Moçambique. Eles começaram em uma garagem em 2009. Hoje, a banda é composta por 6 membros.

Bem conhecidos em Moçambique, eles gravaram um LP e foram apresentados em muitos programas de TV e Rádio.

O KUGOMA – Fórum de Cinema Moçambique este ano será “Em Casa”, em resposta as medidas restritivas impostas pela pandemia da COVID-19.

A de 24 a 30 de Agosto a presente edição terá sessões e actividades On-line, em TV e na Plataforma VOD moçambicana NetKanema.

“No contexto de 2020, não será possível realizar as sessões presenciais do KUGOMA, nas salas de espectáculos e nos bairros da cidade, o que levou a nova equipa de produção a trabalhar em alternativas de exibição para um público que, se encontrará ̔̔̕Em Casa̕”, lê-se no comunicado de imprensa que chegou ao “Mbenga”.

Artigo anteriorVOZES DO NOSSO TEMPO: UM TEXTO UM CAMINHO J. MUNGUAMBE & H. JOSHUA (Conclusão)
Próximo artigoAcompanhe o programa de literatura Unirversos
É licenciado em Jornalismo, pela ESJ. Tem interesse de pesquisa no campo das artes, identidade e cultura, tendo já publicado no país e em Portugal os artigos “Ingredientes do cocktail de uma revolução estética” e “José Craveirinha e o Renascimento Negro de Harlem”. É membro da plataforma Mbenga Artes e Reflexões, desde 2014, foi jornalista na página cultural do Jornal Notícias (2016-2020) e um dos apresentadores do programa Conversas ao Meio Dia, docente de Jornalismo. Durante a formação foi monitor do Msc Isaías Fuel nas cadeiras de Jornalismo Especializado e Teorias da Comunicação. Na adolescência fez rádio, tendo sido apresentador do programa Mundo Sem Segredos, no Emissor Provincial da Rádio Moçambique de Inhambane. Fez um estágio na secção de cultura da RTP em Lisboa sob coordenação de Teresa Nicolau. Além de matérias jornalísticas, tem assinado crónicas, crítica literária, alguma dispersa de cinema e música. Escreve contos. E actualmente, é Gestor de Comunicação da Fundação Fernando Leite Couto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here