UMA NOVA UTOPIA: “Terceira Via” proposta por Ngoenha e Castiano

1
69

OS filósofos Severino Ngoenha e José Castiano propõem uma nova utopia para a construção da moçambicanidade, no “Manifesto por uma Terceira Via”.

Lançado, há dias, o livro propõe que se olhe para a experiência, que a história nacional tem à disposição, para conceber um caminho viável para, enquanto nação, o país caminhe para o que os autores designam de viver juntos.

“Este livro cruza o pensar político e filosófico”, observou o académico Nataniel Ngomane, num exercício que considera “captar momentos cruciais da nossa história, desde a revolução aos dias que correm”.

“Por uma terceira via” é uma proposta, que sugere que o país pode recuperar a busca pela justiça social da 1.ª República – quando o país tentou ser socialista, depois da independência – e as liberdades conquistadas na 2.ª – o multipartidarismo da constituição de 1990.

A sugestão é cruzar o que há de bom nas duas anteriores possibilidades e instalar outra que esteja a servir a todos, sem exclusão e dando, sobretudo, oportunidade para que a juventude possa participar dos processos de tomada de decisão.

De acordo com José Castiano, o livro surge no contexto das celebrações do “Ano Eduardo Mondlane”. É com base no autor de “Lutar por Moçambique”, que os filósofos conceberam esta proposta.

A questão que, actualmente, se coloca, prossegue, é porque Moçambique há que lutar actualmente. Ou noutra perspectiva, a pergunta que se coloca é “que país deixaremos para os que vêm?” 

Severino Ngoenha, por sua vez, disse que a publicação do “Manifesto por Terceira Via”, é uma tentativa de responder a uma preocupação social e de contribuir para o país que, considera, “vive uma situação difícil de pobreza e diferenças sociais”.

A expectativa do filósofo é que Moçambique possa viver com um mínimo de consenso e com justiça social, de facto.

No livro, dividido em oito pontos, os autores traçam uma série de argumentos, que resultam da leitura sobre os diferentes estágios da nossa jovem história, para sustentar a sua tese.

Com efeito, defendem que para a proposta, que apresentam, incluir o passado colonial seria contraditório, pois esta fase é marcada pela negação do sujeito moçambicano, uma vez que a geografia, que limita o território nacional era Portugal.

Severino Ngoenha e José Castiano sugerem que não é, necessariamente, o papel de um grupo específico, seja ele partidário ou associativo, pensar o país, mas de todos os moçambicanos.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here