Não sei de que cor são as palavras

0
235
Miguel Ângelo
Miguel Ângelo

Texto de Miguel Ângelo

Não sei de que cor são as palavras
de veludo, 
dizem que é a pele perfeita da mentira.
Nem a minha voz é aveludada 
ao ponto de adocicar 
notre rencontre promise‘.
É só mais um pronúncio
que se esbatera no extraordinário
sentido da vida.
De dentro aquele 
Que cria imagens impossíveis.
De fora quem ergue impossibilidades 
impossíveis.
E no quadro imaginário, sim, num quadro imaginário,
Dançamos como loucos destemidos em busca de sentido que nos faça voar.

Pintura de João Timane
Pintura de João Timane

***

Miguel Ângelo, nascido à 31 Maio de 1972, numa das duas cidades onde as ruas não tem nome, na cidade de Espinho, Portugal. Em tempos Migueli, Quando ainda a bola rolava nos seus pés e o seu mundo era um retângulo verde com duas balizas que se olham frente à frente.
Entre o espectro do golo, foram surgindo pensamentos e brotaram  poemas no  caminho que se estende até aos dias de hoje.
Na descoberta fascinante de Herberto Helder até Ulisses de Homero, tudo se tornou surreal, uma Perfeita Imperfeição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here