Não ameacem a nossa liberdade

0
86

Quando olhamos para o mundo aí fora, percebemos que o xadrez político mudou muito rapidamente desde 11 de Setembro de 2001. O Ocidente aumentou a sua paranóia de perseguição aos muçulmanos –  não deixa de ser paradoxo que a “civilização” ainda não tenha conseguido abrir-se, de facto, para o Outro. No campo político, a extrema-direita, na sua franja designada populista, por jogar com a demagogia com peculiar competência, tomou conta do poder em países-chave. A esquerda fracassou um pouco por todo o mundo, à excepção da sui generis China, que mantém uma estrutura comunista para governar uma economia capitalista que tenta ombrear com os Estados Unidos da América. É na categoria de extrema-direita populista que se encaixa, por exemplo, conforme a descrição que é feita pelos media internacionais, Donald Trump. A baixeza chega a ponto de se cogitar a possibilidade de que, durante a campanha, se teria recorrido à produção de fake news para fragilizar o adversário. Na França, Marine Le Pen. No Brasil, Jair Bolsonaro.

África não está alheia às alterações. Não que tenha seguido o mesmo destino. O Zimbabwe, embora se confunda com a réplica da parte inicial de Hamlet de William Shakespeare, Mugabe foi destituído. Do outro lado, por corrupção, Zuma caiu. Em Moçambique, o antigo Ministro das Finanças, Manuel Chang, pode ser extraditado para os Estado Unidos da América, onde responderá por vários crimes financeiros.

A estas realidades caóticas a sorte do jornalista não deixa de ser o azar. A classe continua a sofrer agressões. O mundo não para de nos escandalizar com terrores ao nível de esquartejamento na sala de um embaixador, com os media a contar que o acto macabro de desumanização foi transmitido através de uma videoconferência. Ou seja, do camarote, os mandantes assistiram à tragédia deleitando-se com o sofrimento do nosso colega da Arábia Saudita, Jamal Khashoggi. A impunidade não perdeu a oportunidade de vir à baila diante de provas confirmadas pelas investigações turcas e norte-americanas. A impunidade esfrega na cara de todos que, enquanto a verdade não for a de conveniência, o jornalista continuará a ser o alvo do poder estabelecido.

O país, igualmente, vive neste momento uma situação similar, em que a busca da verdade, a crença na frase de Carlos Cardoso, cujo credo era “não se pode colocar algemas nas palavras”, valeram o sequestro de um colega nosso. De acordo com o portal da Deutsche Welle, Amade Abubacar, jornalista da Rádio e Televisão Comunitária Nacedje, no distrito de Macomia, província nortenha de Cabo Delgado, encontra-se desde 5 de Janeiro preso por autoridades militares. Consta que foi levado para o quartel de Mueda. Conforme outro portal, a Carta Moçambique, o profissional de comunicação social é acusado de instigar publicamente ao crime, usando meios informáticos. Ouvida a família, colegas e próximos, ninguém acredita que a acusação vá ao encontro da verdade. A percepção com que se fica é a de que se trata de uma tentativa de silenciar a nossa classe, de amedrontar a busca do inconveniente – que é uma das missões basilares do jornalismo. Amordaçar a classe jornalística é ameaçar a democracia, que só funciona com cidadãos informados e esclarecidos. Sem informação, a liberdade é uma miragem. E este quadro não se encaixa nos nossos anseios. Não é esse país que queremos, não é nele que acreditamos.

Com efeito, a condição de Amade Abubacar aflige a classe jornalística. É preciso que se tenha consciência de que tal pode acontecer com qualquer um em exercício, no terreno, em busca de informação. Sou da opinião de que tratarmos este assunto de forma leviana é conduzir-nos para o interior do célebre romance “1984”, do britânico George Orwell. É abrir espaço para o totalitarismo, ainda que em regime democrático. Enquanto classe, devemos unir-nos para apelar a quem o tenha em seu poder para o libertar imediatamente a fim de que possa voltar ao calor da sua família, que o aguarda com lágrimas e a perder forças de tanto soluçar. Não é a primeira vez que temos um jornalista nesta situação. É certo que o silêncio é também uma mensagem que, neste caso, não parece a mais acertada. A passividade é uma ameaça ao nobre ofício de informar. Penso que não há ninguém melhor do que nós mesmos para exigir que nos tratem com mais respeito; doutra forma, ninguém o fará. Temos de nos unir para que o nosso labor jornalístico não seja ameaçado por interesses contrários à verdade. Temos de dizer que estamos juntos para defender a nossa classe.

Libertem incondicionalmente Amade Abubacar!

lEONEL2

Acredito que pequenos gestos podem mudar o mundo. Encontrei no Jornalismo a possibilidade de reproduzir histórias inspiradoras. Passei pela rádio, prestei assessoria de imprensa a artistas e iniciativas. Colaborei em diversas página culturais do país. Actualmente sou repórter do jornal Notícias. A escrita é a minha arma”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here