Talvez em Buenos Aires

2
129

(A livraria Luar, no Marés, fechou. A Mabuko ficou com apenas uma, na Julius Nyerere, a Conhecimento igualmente queixa-se.)

O livro nunca foi de acesso fácil, nem aqui nem lá. A ignorância pode gabar-se dessa vitória. E os egoístas, que guardam o poder para si, nalguns casos, o conhecimento ao lado, vão juntos à baila.

Matar as livrarias, já poucas, é sem dúvida razão para banquetes de grande regalo para quem da estupidez se beneficia. É o que vemos em Maputo, para não falar do resto do país.

A intelectualidade vai, tristemente, confinando-se nas barracas do Museu, nas bibliotecas, já poucas e pobres, no centro da cidade e algures, na catedral do “Camões” e de outros génios europeus instalados no centro, verdadeiramente metropolitano. Ou ainda, muitas vezes pouco fundamentadas, em grupos de whatsapp e no Facebook.

O conhecimento, esse respeitoso senhor, vai-se, gradualmente, tornando aprisionado por uns poucos, privilegiados e teimosos, diga-se.

Construir uma cidade sem livrarias é o primeiro passo para, de facto, embrutecê-la. Quem ganha com isso? Sabe-se lá!

É um facto que a crise habita em nossos bolsos, o que se reflecte no oco das nossas geleiras e quadros de credelec, mas isso não é pior, de certeza, que fechar o ginásio do músculo mais forte que temos, o cérebro.

A história, a seguirmos este rumo, vai condenar-nos por, de braços cruzados, termos assistido a esta situação. Se bem que, ao que parece, o imediato e instantâneo dita o estado das coisas. É a tal sociedade que o sociólogo polonês Zygmunt Bauman (1925 – 2017) descreveu como líquida.

No mesmo diapasão, em termos lógicos, de alguma forma, Mário Pedro Vargas Llosa, (n. 1936), escritor peruano, denuncia-a em Civilização do Espectáculo.

Não obstante, optimista, ou idealista, que uns e outros, com a sua razão condenam, à luz do realismo, nos parece que o fundo do túnel ainda é “chegável”.

Matar as livrarias, patrocinar o vazio, meus caros, é, de certeza, a pior forma de construir um legado para o futuro. O espantoso, para não dizer paradoxal ou irónico, é que a palavra desenvolvimento está-nos na ponta dos lábios. O que é desenvolvimento? São carros, cerveja, finais de semana em Nelspruit? Ham? E as livrarias, quê? Nada!

Enquanto as respostas não aparecem, como ainda não apareceram, ainda que falhas, ao questionamento do Ngoenha sobre o momento moçambicano, vou tentar mudar-me para Buenos Aires.

lEONEL2

Acredito que pequenos gestos podem mudar o mundo. Encontrei no Jornalismo a possibilidade de reproduzir histórias inspiradoras. Passei pela rádio, prestei assessoria de imprensa a artistas e iniciativas. Colaborei em diversas página culturais do país. Actualmente sou repórter do jornal Notícias. A escrita é a minha arma”.

2 COMENTÁRIOS

  1. Infelizmente o mundo vai caminhando aos poucos para esse abismo. Estamos todos sedentos há mta informação Que morre nas redes. Estão todos perdidos e a preguiça de abrir um livro mata vontades de aprender.
    Eu ainda sou da época Que ama um bom livro do Que um pdf.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here