Filha prodiga: Lenna Bahule voltou e deu um concerto no Teatro Avenida

0
135

IMG_3270No primeiro sábado de Fevereiro, enquanto a noite ainda se acomodava, o escuro ia tomando forma, as luzes dos postes nas ruas e avenidas, das residências e espaços públicos iam contrariando o escuro. Os amantes da música caminhavam em direcção ao Teatro Avenida, para curtir o concerto da Lenna Bahule.


Texto: Leonel Matusse Jr.

1361679607_MG_3368Diante do Teatro Avenida havia um aglomerado de gente expectante de música calma e relaxante, que naquela noite Lenna Bahule prometia. No interior do Teatro Avenida, o primeiro piso deu espaço ao bar moda xicavalu, que foi onde parte do público se instalou para aliviar a ansiedade nuns goles de cerveja e mais alguma coisa.

As 19 e meia, Adeodato Gomes, promotor do evento, convidou todos ao auditório, ia começar o concerto. Já acomodados nos acentos, o público, Lenna Bahule iniciou o concerto com scats, sem banda, foi cantando ao seu ritmo, naquele palco do Muthumbela Gogo, soltou a sua voz leve, africana, com muitas influências, perfumou o teatro avenida, com os seus aromas sonoros. Cantando “Quero ser luz/ quero ser som/ quero ser sonho”, sua primeira composição em São Paulo, Brasil, onde reside há aproximadamente dois anos, intitulada quero ser estrela.

Dois microfones na sua frente, o baterista Gabriel Draetta e o baixista Hélder Gonzaga as costas. Lenna emprestou o palco ao Tchaka Ras Bantu para declamar seus versos em Changana, que declamou, acompanhado dos scats de Bahule, da bateria e do baixo dos instrumentistas.

Com alguns passos de dança, sem euforia, a cantora moçambicana acompanhou suas músicas. Emitia alguns sons com os pés batendo o palco e, os braços ao corpo. Chamou o público a cantar consigo, obediente, foi fazendo coros aos títulos, por si desconhecidos.

De pés descalços fez a festa, num concerto em que a sua voz foi o ingrediente chave, os instrumentistas, apenas acompanharam em algumas interpretações da sua música híbrida: Canções da homilia católica; canções populares; música tradicional moçambicana e algo de Bossa nova.

A gigante machope, Isabel Novella, que já vem se mostrando uma das referências na música nacional, devido, as suas colaborações, foi a surpresa da noite. Não constava do cartaz. Numa peça inteiramente scat singing, deliciou ao público, acompanhada da dona daquela noite, Lenna Bahule. Outros convidados especiais foram os Grupo Hodi, Spitits Indigenus, bem como algumas estudantes de música da ECA (Escola de Comunicação e Artes).

Depois do concerto, Lenna Bahule (LB), abandonou os camarins para cumprimentar as pessoas que foram estiveram no seu concerto, beijos, elogios, sorrisos e abraços marcaram o momento.

A revela que a ideia do show era «Queria contar minha historia, partilhar o que eu gosto, estar com pessoas. Acho que é, por isso, que, eu faço concertos, gosto de estar com as pessoas, por essa razão, as convido a cantar. Então, o show foi voltar para casa, queria fazer tudo aquilo que eu senti falta (no Brasil) e, sinto estando em casa, tudo o que eu gosto estando em casa.»

Lenna Bahule encontra dificuldades para definir a sua música, que é uma “salada” das suas vivências. «Eu não sei defini-la, porque é muito pessoal, muito individual assim. É uma mistura das minhas loucuras, daquilo que eu gosto, que eu quero para minha vida. É muito único, eu confesso que estou requisitando nomes», reflectiu.

Workshop na ECA

Na sua visita a Maputo, Lenna Bahule ministrou um Workshop na ECA, cujo objectivo era transmitir aos estudantes de música daquela instituição superior, da Universidade Eduardo Mondlane, o que ela foi aprender no Brasil: «a ideia era passar tudo que aprendi lá da liberdade de si mesmo e de interagir, da maturidade. Não foi nada teórico, foi tudo práctico mesmo.

No Brasil, faço parte de grupos de improvisação, cantos em grupo, a gente senta rua por duas ou três horas cantando. Não dei técnica, acho que isso e uma questão e particular, cada qual usa a (técnica) que quiser.»

Questionada se voltaria a residir em Maputo, Lenna Bahule responde «pretendo voltar, eu gosto de pão com badjia e la não há. Mas antes preciso terminar meus estudos, minhas pesquisas, meus trabalhos. Quero, vim para plantar essa semente. Vim ver como vão as coisas prácticas da vida aqui: concertos, música…»

Sua estadia nas terras de Tom Jobim, fizeram a Lenna descobrir outro  talento em si, para além da música: «tenho descoberto que tenho vocação para dar aulas. Pretendo investir nisso, a arte e a educação.»

Para a jovem de apenas 24 anos de idade, a ida ao Brasil significou ganhar maturidade, pois, pelo facto de estar sozinha lá, tem que organizar a sua vida, agenda e da sua saúde. Pelo facto do Brasil ser um país muito liberal, outra conquista da cantora, foi a liberdade «para ser quem sou e para interagir para quem tiver boa disposição para tal.»

Antes da sua ida ao Brasil, a dois anos, Lenna Bahule fez «uma audição para conseguir uma bolsa na Berklee College of Music (que cita em Boston EUA), tive uma parcial. Tinha que fazer outra audição para conseguir uma integral, mas por uma questão de agenda, finanças, eu não consegui ir nesse processo todo fui parar no Brasil.»

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here