Chico Carneiro expõe “Gente e Lugares de Moçambique”

0
132

exposiçãoChico Carneiro eternizou os seus cerca 30 anos no país em uma exposição fotográfica intitulada “Gente e lugares de Moçambique”, patente, até 19 de Dezembro, na sala de Exposição do Centro Cultural Franco-Moçambicano (CCFM).


Texto: Hélio Nguane

 Nws_22484_1_20141204-144841

Tarde de Abril de 1985 na cidade de Maputo. Uma criança magra de pés descalços, calcões rotos e uma camisa branca com tons acastanhados pela sujeira, cobiça um par de sapatos na montra. Um homem, Chico Carneiro, não fica alheio a situação e rouba para a sua máquina fotográfica esse momento. Passado cerca de 30 anos, essa e outras fotografias desfilam nas paredes do CCFM numa exposição que traz uma nação aos olhos deste fotógrafo.

Carneiro é fascinado pela “perola do Indico”. Nas suas aventuras fotográficas procura retratar os detalhes que perfazem este país.

“Moçambique é lindíssimo. Existem locais desconhecidos. Locais inusitados. Passagens virgens que ainda precisam ser exploradas pelo homem”, expressa na abertura da exposição.

A actriz Ana Magaia conheceu Carneiro, então cineasta, no seu primeiro filme de ficção. Desde ai nasceu uma relação de amizade que sobrevive até hoje. Conhecedora do trabalho do expositor, Magaia conta que “Chico é detalhista, vai ao pormenor. Conhece Moçambique. Ele vive do cinema, mas a fotografia ocupa-lhe mais de 24h no seu dia”.

O expositor venceu a 4ª edição do Concurso Fotográfico Alusivo à Semana da Mulher promovido pelo CCFM e a possibilidade de expor nessa sala. Com o premio veio o dilema: o que expor?

“A primeira ideia da exposição era retractar em cada fotografia um ano que foi passado em Moçambique. Em função da complexidade da selecção, quantidade das fotos que tenho, reuni apenas as 26 fotografias que me marcaram”, pormenoriza Carneiro.

O expositor percorreu todo Moçambique. O material exposto retractam vivências. “Neste trabalho chamo atenção a questões sociais. Nas fotografias trago o retracto da sociedade. A mulher aparece em evidência nas minhas fotos”, esclarece Carneiro.

“Gente e lugares de Moçambique” é a última exposição do ano do CCFM e permanecerá nas paredes da sala de exposição desta casa até 19 de Dezembro.

De referir que Chico Carneiro nasceu em 1951 em Castanhal (Pará- Brasil). Iniciou-se como cineasta no Brasil. Em 1983 migra para Moçambique para trabalhar como director de fotografia e realizador dos filmes documentários da empresa Kanema, Produção e Comunicação. Apresentou a sua primeira exposição individual em 1976 e daí não parou. No seu currículo constam 11 exposições colectivas e quatro individuais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here