0
119

CICLO DE CINEMA EUROPEU

É UMA PENA TER POUCAS SALAS

DE CINEMA EM Maputo

O 13º ciclo de cinema europeu decorreu de 6-21 de Maio, na cidade de Maputo.

Mais de 15 filmes e 30 projecções passaram nas telas do Centro Cultural Franco Moçambicano (CCFM), representando 15 países europeus.

O representante da Dinamarca esclareceu que os países europeus participantes neste 13° ciclo de cinema fizeram um grande esforço para que os filmes fossem acessíveis, sobretudo para a camada juvenil.
OBJECTIVOS
A directora do CCFM, Eden Marta, disse que o objectivo principal deste ciclo de cinema é formar o público e fazer com que todas as camadas tenham acesso ao cinema. “A nossa tendência é formar, fazer com que os jovens, crianças tenham acesso às salas de cinema.
O objectivo central é abrangir todo território Moçambicano, atingir os jovens, que são o nosso público-alvo e fazer com que todo mundo entenda que a cultura é acessível para todos”, esclareceu a embaixadora dinamarquesa Pik Thueman, acrescentando que “trazer cinema de boa qualidade, mostrar o que está acontecer no mundo, bem como trazer filmes que interessam Moçambique constitui o foco principal do ciclo”.
 
Salas de cinema escasseiam em Maputo
É uma pena ter poucas salas em Maputo, porque o cinema é uma arte tão diversa, e a contribuição que o CCFM dá é com esse ciclo de cinema, afirmou a directora do CCFM, deixando transparecer que “a única forma é de abrir mais diversidade, é necessário ter cinema de arte do que cinema comercial, para além da ajuda que o CCFM dá, recebendo todos esses filmes“.
Sobre a relação dos filmes com o contexto Moçambicano, Thueman esclareceu que eles tocam em vários aspectos que interessam a toda comunidade começando com a conexão entre Europa e Moçambique. “Temos um documentário que fala sobre a guerra civil, entretanto, não há uma temática exclusiva, e as legendas foram feitas em português“.
 
Benefícios do ciclo
A directora do CCFM afirmou que os benefícios que Moçambique terá com este ciclo de cinema “são a diversidade da oferta, visto que são filmes recentes e nós apostamos nas escolas e jovens. A novidade neste ciclo foi a existência de secções para escolas, desde momento que estes reservem o filme que querem ver“.
A embaixadora dinamarquesa esclareceu que “o benefício é de saber o que está a passar noutros países em termo de cinema, para além do intercâmbio cultural”.
O primeiro filme que passou nas telas do CCFM é intitulado “A Caça“. O drama do produtor dinamarquês Thomas Vinterberg, com mais de 110 minutos, conta a história dum homem que depois de enfrentar um divórcio difícil vê-se acusado injustamente de pedofilia. O homem trabalhava numa creche, quando uma filha do seu melhor amigo o acusou de a ter violado sexualmente. O personagem principal de nome Lucas, encontrava-se ainda num processo de restabelecimento de sua relação com seu filho adolescente Marcus.
                                                                                                                         
ESPECTADORES CONGRATULAM INICIATIVA
Os espectadores congratularam a iniciativa. Yúrio, numa entrevista ao Mbenga, disse que “a iniciativa é boa sob ponto de vista sociocultural e que pode vir a significar uma nova era para o cinema Moçambicano”. O mesmo frisou que era necessário que se criasse mais espaços de cinema. Para ele, o impacto na juventude resume-se pelo facto deste ter mais possibilidade de se fazer presente nesses eventos.
Tino “Devia se abrir mais salas de cinema já que contribuem na socialização das pessoas e nos fazem aprender. Apelo a dar aos jovens é que adiram, pois são filmes educativos.
De referir que nesta edição, o CCFM irá apresentar o filme “intocáveis”. Este ciclo ira-se estender até ao Município da Matola, nos dias 3 a 9 de Junho do ano em curso.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here