Ciclo de diadema Trivial

0
34

Então, quem irá acolher este ciclo de diadema trivial?

Lemo-nos ritualmente como cristais carbónicos abertos às páginas entre olhos fechados. Um raciocínio Uma percepção. Que nos dão alguns? Nada. Talvez isso seja bom. Dizem: abram os olhos. A poesia é uma tortura com uma lança no fígado e o peito pronto a encolher a dor. Esse nada que fingimos seguir por dentro do pesar a todo tempo.

Não sabemos de onde vêm as prosas ou poemas que não ficam malfadados nas páginas. Que andam de testa a testa, com gente estranha de fascínio ou não, de tempo sobre tempo com gente diferente. Talvez porque, Eles galopam sempre, desejam encontrar a redenção e entregam-se ao caminho… Mas como pô-los a galopar constantemente?

Não gosto de poemas que ficam nas páginas, aliás escritos para páginas somente!

O poema deve farejar o seu próprio tempo e deixar-se arder. Fragmentar eu nele em exércitos acasos e sobreviver. Casual d’um recesso recomeço. Desdobrar o interior do eu tal como um cone quebrado acidentalmente, reposto à forma pelos olhos. Ou um sino entre as notas. Ser a culpa de tudo ou de caminhar à solta com as feridas nas mãos, mover-se para repousá-las em lugares mais doloridos dos retalhos do mesmo cone. Repor os timbres não como se os ouvidos negassem a existência do ritmo mas para coexistir no mesmo. Afastar-se para gritar ou para parar de outro lado da loucura que é mais perto de quem se afasta com os olhos nos pés ou com cabeça no chão ou qualquer coisa diferente disso. Mas não encontrar o sítio para parar. Ser infinitamente pequeno que a solidão.

Porque não há transfiguração do poema, da prosa em gente nos tempos-espaços com a trivialidade e com o imediato da palavra nas mãos. Porque doí ser esquecido com entulho de papéis no crânio. Deve galopar infinitamente entre gerações.

É preciso ter o medo e a dor de não acordar no poema e na prosa. Porque sabem, há os que fingem acordados em instante às estantes entre livros que nos ocupam os lugares dos que percorrem tempos em tempos em letras e do silêncio que basta, menos o nada, o labor está lá.

Mas sabem ainda, o mundo se levanta contra o mundo, por mim, correria igual ao um delfim mover-me rapidamente, entre as armaduras do mar, esquivar os golpes das ondas de lugar a lugar, mergulha-se até ao coração das chamas – correr bastante para me esconder das laudas. Sair de vez em quando, pois isso basta também.

Carregar os monumentos do seu ardor não é fácil, talvez o seja ao imediatista.

Se quisermos esse peso com vulnerabilidade, que seja gota a gota no ombro, o cérebro pronto para sofrer. Filtra-lo tal como uma veia intravenosa; queimar os empecilhos nos convénios editoriais.

O editor que esteja pronto para incendiar seu próprio estômago passivamente sem poder fazer nada contra nada; ainda que morra a fome – Apenas viver ou morrer em cada texto com dignidade.Isso É acordar. Esta maneira de acordar dever-se-ia ser um jeito remonta de sonhar a coragem para publicar ou não.

Querem ser vistos e a gente vê. Deve se ir sem alinhamento com vistas cerradas porque se é ciente de quanto tudo é esplendor, é perigoso, é vida, é nada ou não ser o grito de tudo isso. Mas uma dor que a deixamos adormecer, ou levantar-se com ardor combativo.

Mas é necessário aguentar. Suportar. Esperar que o ciclo se fecha e para sair como um ladrão da raridade e atemporalidade em laudas.

Jeremias F., JEREMIASNovembro, 2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here