“Noites de Poesia” celebra vida e obra de Haile Selassie

0
159

Passam hoje (27), exactos 46 anos depois da morte do ex-imperador etíope, Hailé Selassié. Para celebrar a efeméride, o legado do, também, expoente máximo da religião Rastafári, será revisitado na primeira edição deste ano do Sarau Cultural “Noites de Poesia” – organizado pelo colectivo “Poetas D’alma”.

O evento – que irá acontecer virtualmente, através do facebook Poetas D’alma e Noites de Poesia, às 18:30 – cruza a poesia a outras artes e diálogos, numa reflexão em torno da africanidade.

A decorrer sob o lema “D’Agosto Negro” a primeira edição 2021 do Sarau Cultural “Noites de Poesia” junta poetas, escritores, artistas, jornalistas e activistas sociais de diversos países, todos identificados pela causa da exaltação do homem negro em África e noutras partes do mundo. São casos do poeta Nelson Maca e Luan Charles (Brasil); Cjey Duarte (Cabo Verde); Vuyokazi Tshaya (África do Sul) e Custódio Duma, Régio Conrado, Álvaro Taruma, Alice Ambrucer, Cecília Muleica, Mary Dias, Denise André, Luís Nhazilo, Hélder Malele e, claramente, Féling Capela (Moçambique).

Além de recordar os feitos de Hailé Selassié, o evento tem o pretexto de visitar o legado do activista George Jackson, Marcus Garvey e vários outros pensadores africanos ligados à negritude e ao pan-africanismo.

Lê-se no comunicado de imprensa -emitido pelo Colectivo Poetas D’alma – que o sarau “Noites de Poesia” se enquadra num conjunto de actividades que antecedem o “Festival Poetas D’Alma”, um espaço de intercâmbio de poesia e artes performativas entre artistas de deferentes geografias – que decorre entre os dias 18 e 21 de Novembro próximo, num modele híbrido – virtual e presencial.

Selassié é lembrado pelo seu contributo na luta pela afirmação do homem negro em África e noutras partes do mundo – materializado na influência que exerceu nos ideais da negritude e do pan-africanismo, dois movimentos que almejam o despertar da consciência negra face às humilhações sofridas durante a vigência do colonialismo europeu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here