Poemas de Jeremias Maxaieie

2
565
Pedro Maxaieie
Pedro Maxaieie

Textos de Jeremias Maxaieie

Maneta

o poema começa
quando a mão desagua
no mar, em delta,
do insano ser
da alma infrene
incógnita e revolta

só depois
(e devagar)
dessolvem-se os dedos,
a palma da mão
e o braço todo
em átomos de desconcerto
para que o poema seja
alheio à mão
alheio ao homem
alheio à alma
e viva.

Estuário ( o biótopo do amor)

sinuoso ribeiro plácido
apressa-te para o mar! desagua em mim!
trazendo cardumes de catádromo placton
ao nosso biótopo fértil de libido;

conquanto jogarei bravas, minhas vagas
às falésias do leito do teu peito
suspiros de maresia embassando teu rosto,
tempestades de denso queixumo ao vácuo
quando se inundar a desembocadura do nosso amor
e se transformar em eterna
a natureza da salobra acoplação
do teu ribeiro e do meu mar

Desenho de Joaneth
Desenho de Joaneth

maçaroca assada

o aroma da maçaroca assada
das esquinas das paragens imundas
dos subúrbios de KaMpfumo e da Matola
enlevam em mim um orgulho singelo
que não pode ser sentido
nas efémeras compras de um final de semana prolongado
nos fúteis mega-shoppings de Nelspruit e Johannesburg

no fugão crepita o carvão
aceso pelo calor das pernas abertas
da mamana que, isenta de cuidados
as manuseia, quentes e robustas
anunciado húmil preçario:
“aqui é 10, aqui é 15, aquí é 20”

o fogão é ladeada por um poste de electricidade
donde fede a urina drenada por clientes embriagados
na frente, um caminho de terra abarrotado de transeuntes
e de xicorocoros que, flatulando outros fumos
esborrifam das rodas, salpicos imundos de matope

maçaroca assada
é o aroma da minha terra
que custa 10, 15 e 20, também na Mafalala e no Xiquelene
maçaroca recheada com urina, fumo e matope
aquecida pelo fogo das pernas abertas da mamana
é esse aroma que têm as coisas da minha terra
é esse o aroma do meu orgulho, do meu país, da minha pátria

QUE HORAS SÃO?

por onde vieste?
mande-se abolir os caminhos
para que não te vás.

já há tantas noites
que o teu sorriso transbordou
os subtis limites da inocência
inundando os espaços da casa.

teu olhar é um chamado
ao platônico abraço no escuro.
é o laço que transforma, na noite
todas as brisas em um suspiro

o que disseste?
mande-se abolir as palavras
para que não digas mais nada

sussurraste “amor” no ouvido da alma
e outros murmúrios do vocáculo do silêncio
já faz tempo que teus olhos são palavras
que imploras tuas ávidas vontades
na tímida mudez dos teus gestos

na noite, tacteei o vácuo
na ânsia de catar estrelas
e dei por mim na madrugada
apalpando as galáxias do teu corpo
que horas são?
mande-se abolir o tempo
para que este instante não se acabe.

***

Jeremias Maxaieie, nascido na Praia de Xai-xai em 1986, iniciou-se na poesia em 2002 quando aluno na escola comercial de Maputo.
Fez parte de pequenos movimentos literários. É amante do estilo poético moçambicano, da criatividade da geração dos poetas nacionais contemporâneos, da qual faz parte.

Artigo anteriorANIVERSÁRIO DE EMERGÊNCIA
Próximo artigoPoemas de Delalves Costa
Hirondina Joshua nasceu em Maputo, Moçambique, aos 31 de Maio de 1987. É membro da Associação dos Escritores Moçambicanos. Participou de várias antologias, revistas blog, jornais, colóquios, debates, festivais nacionais e estrangeiras. Tem colaborado com a plataforma mbenga de artes e reflexões fazendo conversas e divulgando textos de autores lusófonos. É co-redatora da revista portuguesa incomunidade. E colunista da revista galega palavra comum onde colabora com ensaios sobre a arte da escrita.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here