“Stimela”. A locomotiva não para!

0
177

Chinelo de cinquenta meticais nos pés sujos de tanta poeira colhida nos becos areosos dos subúrbios da cidade de Inhambane e um trompete perfurava a audição de um grupo de cinco rapazes, no qual apenas um era proprietário do único telemóvel que reproduzia música. Foi assim que começou a minha relação com o jazz, com “Stimela” de Hugh Masekela.

O “pai do jazz-sul africano”, como alguns consideram – atendendo e considerando que acabou sendo a estrela mais cintilante da primeira banda significativa do género naquele país, Epistles, que, igualmente, integrou o pianista Abdullah Ibrahim -, me convidou a sua locomotiva.

Capturar
Hugh Masekela. REUTERS/ ANDREA DE SILVA

O sexteto de que fez parte na sua fase inicial apostava num bebop, que fundia a música tradicional sul-africana com o vocabulário do jazz-pop dos Estados Unidos de América.

Em meio aos seus vagões, de calção roto no rabo, como até depois coincidentemente descreveu-me Waldemar Bastos, percebi que o “maquinista”, na verdade era um Griot na África sub-sahariana. Esta constatação é simples de justificar, ao observar que Masekela contava as dores do seu povo, golpes humilhantes desferidos pelo regime do apartheid, que os subjugava e tentava – em vão, como hoje se vê – reduzir os sul-africanos a nada.

Sem nenhum critério, apenas embalado pela harmonia diferente, cheia de energia, segui a viagem. Nessa altura se quer sabia que o trompetista, com o tema “Grazing in the Grass“, atingiu sucesso estrondoso em 1968 nos Estados Unidos de América, com o qual atingiu a fasquia de 18º lugar na Billboard.

…e a dado momento, nesse troço de descobertas, o maquinista deixou-me a cuidados na estação “jimmydludliana”, que, por sua vez, empurrou-me para referências como John Leslie Wes Montgomery, Charlie Christian… Por lá fiquei-me por algum tempo.

Quando Hugh Masekela voltou para buscar-me, eram as lágrimas das crianças, estudantes, que a 16 de Junho de 1976 foram as ruas para reivindicar igualdade de tratamento nas escolas, que jorravam na composição de “Soweto Blues”.

HUGH
Uma fotografia de 1954 intitulada “Hugh Masekela With the Trumpet From Satchmo”, do fotógrafo sul-africano Jürgen Schadeberg. A trombeta era um presente de Louis Armstrong. Crédito Jürgen Schadeberg

Seguindo este rumo, a bordo, cruzo-me com Louis Armstrong, que em 1954 ofereceu um trompete ao autor de “Chileshe”, a explicar-me que, não obstante o caos que emanava nas reivindicações de Ramopolo Hugh Masekela, há beleza no mundo. O norte-americano ainda teve a simpatia de indicar o endereço, ao descrever que a mesma reside nas coisas simples, como bem claro fica naquele seu eterno “What a wonderfull world”.
 

Os mimos de quem desde cedo acreditou que o rapaz nascido a 4 de abril de 1939, na cidade de mineira de carvão, Witbank, África do Sul, não cessou, ao encantar-me com a declaração de amor feita na curta composição de “La vie en rose” – título que levou de empréstimo da diva francesa Edith Piaf.

 A bagagem que se fazia transportar na locomotiva de Hugh Masekela era musicalmente rica de referências, que não me causou espanto descobrir que uma das suas maiores referências foi o trompetista de Carolina, Dizzy Gillespie.

O bilhete de passagem que me foi oferecido pelo ex-marido da lendária intérprete de “A luta continua” e a icónica música “Pata pata”, Miriam Makeba, permitiu descortinar os marcos do etíope Mulatu Astatke (tido como o pai do Ethio-jazz), o multi-instrumentista Fela Kuti, e uma nata de “gajos” que fizeram do jazz jazz.

No “Sitimela”, o que nunca faltou foi a sede de liberdade, de dignidade, de exaltação a preservação de valores africanos. Não há dúvida que Masekela era um humano na verdadeira acepção do termo. Num sentido que transcende as suas obras musicais, ao, no seu discurso e modo de vida estar sempre patente essa preocupação com a humanidade.

Depois de ter batido de frente com o regime opressor do apartheid, o trompetista em temas como “Mandela (Bring Him Back)”, continuou a sua luta, ao vilipendiar a ocidentalização dos hábitos e costumes que encontrou nas pessoas do seu país quando regressou dos 30 anos de exílio nos EUA.

O filho de Thomas Selema Masekela, um inspector de saúde e notável escultor – conforme o New York Times – e de Pauline Bowers Masekela, assistente social, sempre mobilou os vagões da sua locomotiva com os valores do seu povo, dai que não espanta que mesmo depois de vários e longos anos sem colocar os pés na África do Sul manteve o seu forte sotaque intacto.

Leia a descrição de uma performance de Hugh Masekela de 1989 neste link

Review/Jazz; From South Africa, a Sunny Musical Mix

A morte, infalível que é, para provar a falência dos nossos corpos levou Hugh Masekela, a 23 de janeiro de 2018. Mas a sua viagem não parou, a locomotiva não encalhou.

Ainda agora, que termino este texto, ouço o ranger de um novo arranque, na certeza de que, na verdade, uma nova viagem começou, rumo a consagração.

lEONEL2

Acredito que pequenos gestos podem mudar o mundo. Encontrei no Jornalismo a possibilidade de reproduzir histórias inspiradoras. Passei pela rádio, prestei assessoria de imprensa a artistas e iniciativas. Colaborei em diversas página culturais do país. Actualmente sou repórter do jornal Notícias. A escrita é a minha arma”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here