“Melissa” da Dama do Bling dá cores a imaginação das crianças

0
251

Texto e fotos: Eta Matsinhe
A manhã fresca, mas ensolarada do último sábado (4 de Novembro), foi colorida pelos tons do arco-íris e agraciada pelos sorrisos dos meninos que se foram sentar a esteira da Fundação Fernando Leite Couto, em Maputo, para viajar no mundo encantado da Melissa.

DSC03858.JPG

Melissa — personagem encarnada pela actriz Malua Saveca — é uma menina estudiosa e nos tempos livres gosta de brincar a matacosana e a neca. Vive com os pais, na distante aldeia de Lopeque. A aventura da menina inicia quando o povoado é inundado por fortes chuvas — jamais vistas em Lopeque —; e para salvar a terra natal recebe a missão de viajar pelas cores do arco-íris e desvendar um grande segredo.

Durante 45 minutos, a pequenada, na boleia da Melissa, deambulou pelo verde, amarelo, azul, Índigo, violeta, vermelho e laranja; aprendeu a origem das cores do arco-íris, as boas maneiras e o respeito pela natureza; brincou; deu boas gargalhadas; e o mais importante ajudou a protagonista a salvar o seu povo, desvendando com ela o grande mistério das cores.

DSC03911

A peça teatral, “Melissa e o Arco-íris”, é inspirada no livro infantil da escritora e Rapper, Ivânia Mudanisse — também conhecida como Dama do Bling—, lançada em 2011. E conta com a direcção de Gigliola Zacara.

DSC03880

Segundo Gigliola, a exibição faz parte das actividades desenvolvidas pela “Oficina de teatro e contos infantis” — uma iniciativa que tem o objectivo de estimular a leitura e a escrita, nos mais novos, através do teatro.

DSC03979
Gigliola Zacara, directora da peça

“Nós transformamos contos infantis, de escritores moçambicanos, em peças. Exemplo disso são as obras: “O Rei Mocho”, de Ungulane Ba Ka Khosa, e “O Gato e o Escuro”, de Mia Couto, que já foram encenadas para centenas de crianças”, explicou.

 

Apesar do sucesso das apresentações, a directora revelou existir um público que ainda não se beneficia do projecto.

DSC03926

“A maior parte das crianças que vem as nossas apresentações, nos centros culturais, já tem acesso ao livro e as artes. Agora, as crianças das comunidades e das escolas públicas não têm o mesmo privilegio”, lamentou.

 

E, para fazer chegar o teatro e a literatura as escolas dos bairros carenciados e dos distritos, Zacara disse estar a trabalhar na busca de parceiros para apoiar o Centro. “Já temos um parceiro identificado e agora estamos à procura de outros para levar isto para longe”. Finalizou.

DSC03954

Para além de dirigir a peça, Gigliola Zacara cuidou da cenografia e do figurino. A encenação esteve na responsabilidade de Fernando Macamo. A interpretação e co-criação ficou a cargo dos actores: António Sitoi, Buanamade Amade, Eduardo Tembe, Fernando Macamo, Maria Clotilde, Malua Saveca, Célia Madime. 

Eta Matsinhe

perfil hojeEncontrei nas letras a possibilidade de gritar sem ferir os ouvidos do mundo e sem danificar as minhas cordas vocais. Sou formada em Marketing e Publicidade e tenho uma especialização em jornalismo multimídia. Actualmente, atuo como jornalista freelancer, assessora de imprensa e gestora de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here