Poemas de Ingrid Morandian

0
107
Ingrid Morandian
Ingrid Morandian

Textos de Ingrid Morandian

Maria das Sentenças

do corredor o hálito quente do quarto
recaía em suas pernas
ela não migrou seus sonhos para os olhos
naquela manhã
o entorno absorvia o silêncio preso nos lençóis,
uma alegoria
ela seguiu atrás da realidade posta
nos móveis da sala
passaporte para mundos outros
prelúdio
a água escorria para a chaleira
respingando gotas na pia,
o silêncio abrandava cedendo à realidade
os utensílios da cozinha
a luz rasgava num solo pelas janelas,
entrevendo o bordado do dia
ela mexia com a colher de pau os restos
de sonhos que esvaziaram na madrugada
seus olhos de Pietá marulhavam

Pintura de João Timane

O último caminhante do vagão

naquela noite não havia estrelas – um céu nebuloso e absurdo
de lua nova

os calcanhares do último caminhante
redesenhavam as ruas paralelas,
um archote nos olhos dos passantes tremeluzia

sentiu saudades da terra molhada,
da infância encadernada na memória,
o pai cavoucando o solo,
a aragem da manhã na pele,
o gosto de vida e suor na camisa

o asfalto é o refúgio das sombras
o trem lida com o cansaço dos passageiros,
o caos sazonal,
e palavras de sangue

o último caminhante do vagão
abocanha os passos espatifados
na plataforma

debruçados, seus olhos nas vidraças do trem
anteveem o reflexo de rostos,
bolsas,
braços caídos
e melancolia

as horas amortecidas nos simulacros do esquecimento
embaraçam as tristezas do último caminhante,
pensaria com assombro na noite avançando na superfície,
e sua condição amparada por uma sacola de pães, moedas
– solidão

os olhos apertados de sono apalpam as horas,
o regresso desconhecia onde terminavam os trilhos

Ewá

o que mais me assombra na tempestade
são os resíduos de lágrimas que ficam na pele,
a natureza perfila nas janelas do quarto gotículas
escorrendo sinuosas

ergo os braços para a chuva pedindo a imanência dos tempos
para que brotem fecundas minhas pernas
os mundos do meu corpo confirmam
as histórias contadas da mãe afro

nasci Ewá
nasci no rio bordado de solitude
fiz-me continente na ária,
acolhimento das mãos sôfregas

Pintura de João Timane

Um dia

por vezes infinitas andarilhei
pelas pernas da Rita
acendi aquele cigarro-canela
na tarde embolorada de sábado

perturbada com a leitura de Beckett
catei folhas da calçada, catei gritos
e alguns poemas do abismo
amasso todos os recados de Rita
ainda ecoando abafados

das pernas da Rita inaugurei
o sexo agridoce
reinventando um país oblíquo-distorcido
Rita
perene o olhar na cidade
as ruas mouras e turvas

dentro da íris, um dia coube
a imensidão do silêncio
soltando navios

um dia coube, dentro do rosto
um punhado de chuva
na boca da Rita

***

Ingrid Morandian nasceu em São Paulo(SP), onde reside. Participou de várias antologias. Publicações: Água Terra Fogo Ar – Crônicas elementais, Editora Uapê, 2011 – História intima da leitura, Editora Vagamundo, 2012 – Revista Plural 1900 e Revista Plural La barca, 2016, Editora Scenarium Livros Artesanais –  Senhoras Obscenas, 2016, Editora Benfazeja. Tem poemas publicadosnas revistas eletrônicas Mallarmargens, Diversos Afins, Liberoamérica. Publicou pela Editora Patuá, Se você me amasse, teria fechado os olhos, 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here