“OS OLHOS DESLUMBRADOS”, candidaturas abertas para a oficina literária

0
43

A Fundação Fernando Leite Couto (FFLC) abre uma chamada de candidaturas para submissão de propostas a oficina literária “OS OLHOS DESLUMBRADOS”. “Uma Noite no Museu”, é o tema escolhido para terceira edição, dedicado ao conto e crónica.

Esta oficina, que tem como palavras-chave: História, Acção e Memória, está integrada no Festival Gala-gala, organizado pelo colectivo de Centros Culturais Franco-Moçambicano, Moçambicano-Alemão, Brasil-Moçambique/Instituto Guimarães Rosa, Camões, Museu Mafalala, 16 Neto, Associação Kulungwana, Fundação Fernando Leite Couto e a Embaixada da Espanha. O festival irá decorrer nos dias 12 a 18 de Setembro.

A submissão de propostas decorre de 11 a 22 de Agosto corrente, através do correio electrónico [email protected].

Os candidatos deverão enviar um texto inédito, com um máximo 5 páginas, em folha A4, contendo 220 caracteres por página, em fonte Times New Roman, tamanho 12 e espaçamento 1,5. Sendo que cada texto deve apresentar, antes do título, o tema da presente edição da Oficina de Ficção Narrativa.

Na sequência, os monitores da presente edição, nomeadamente, o editor e coordenador da actividade Celso Muianga, o poeta e ensaísta Léo Cote e a romancista Virgília Ferrão, irão avaliar e selecionar as propostas que respondem aos critérios para a posterior fazer um trabalho de oficina com os finalistas de elevado potencial.

Sempre sob coordenação de Celso Muianga, no ano passado o tema foi “Mercados”, tendo como monitores a editora e tradutora Sandra Tamele e o escritor, o ensaísta e editor Marcelo Panguana. E em 2020, quando a sugestão era “Património”, coube, além do coordenador, a pesquisadora Sara Jona e a leitora do Camoes Centro Cultural Portugues Conceição Siopa, a orientar os candidatos.

O resultado desta oficina será apresentado em forma de livro digital, disponível na plataforma Issu, como nas edições anteriores.

Os objectivos desta oficina é desenvolver a arte da escrita através da exploração de materiais linguísticos como veículos de expressão de pensamentos e ideias e proporcionar instrumentos de desenvolvimento da observação, da imaginação e espírito crítico.

Com efeito, a FFLC desafia aos jovens e novos e autores a criarem textos em prosa de ficção narrativa e a contarem estórias de personagens, eventos, sobre o que lhes deslumbra numa “Noite passada num Museu”, um museu real ou imaginário.

Os proponentes deverão criar um enredo que se desenrola num museu de noite ao seu critério, que pode ser um já existente ou mesmo criado no seu imaginário. Os autores aprovados pelo júri.

Desta forma, a FFLC, pretende perpetuar o legado do Poeta, Jornalista, Tradutor, Editor Fernando Leite Couto partilhamos o seu conselho aos jovens e novos autores.

“Instruir-se o mais que puder e conhecer profundamente a vida do seu povo; a partir dessa ciência teórica e dessa vivência, dar expressão à sua experiência. Elaborar os seus escritos, com a paciência, o carinho, o entusiasmo, o sentido crítico e a exigência com que é elaborado todo o trabalho que resulta da emoção do saber profundo de que os autênticos criadores, impregnam à sua obra”, respondeu Fernando Leite Couto, numa entrevista conduzida por Vimaró – Tomás Vieira Mário, a revista Charrua, Nº 2, Agosto 1984.

Artigo anteriorJorge Dias levou capulana para traçar fragmentos da memória moçambicana no Brasil
Próximo artigoHermelinda Simela Vive!
É licenciado em Jornalismo, pela ESJ. Tem interesse de pesquisa no campo das artes, identidade e cultura, tendo já publicado no país e em Portugal os artigos “Ingredientes do cocktail de uma revolução estética” e “José Craveirinha e o Renascimento Negro de Harlem”. É membro da plataforma Mbenga Artes e Reflexões, desde 2014, foi jornalista na página cultural do Jornal Notícias (2016-2020) e um dos apresentadores do programa Conversas ao Meio Dia, docente de Jornalismo. Durante a formação foi monitor do Msc Isaías Fuel nas cadeiras de Jornalismo Especializado e Teorias da Comunicação. Na adolescência fez rádio, tendo sido apresentador do programa Mundo Sem Segredos, no Emissor Provincial da Rádio Moçambique de Inhambane. Fez um estágio na secção de cultura da RTP em Lisboa sob coordenação de Teresa Nicolau. Além de matérias jornalísticas, tem assinado crónicas, crítica literária, alguma dispersa de cinema e música. Escreve contos. E actualmente, é Gestor de Comunicação da Fundação Fernando Leite Couto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here