(Re)pensar os espaços partilhados

0
87
Fotografia de Amilton das Neves

Na textura, cor, design e feitio, os lugares e monumentos carregam fragmentos da História e identidade de grupos sociais. Fazem a ligação entre os tempos, oferecendo evidências e testemunhos de experiências e momentos transcorridos, mas também dos que ainda estão por vir.

São espaços partilhados, que vão sendo construídos e moldados na medida da necessidade e condições que o período oferece. A pensar na dimensão identitária, assente na memória e outros traços presentes no património cultural, mas também em práticas inovadoras para a conservação dos lugares e espaços públicos, o Instituto Universitário de Lisboa e a Faculdade de Arquitetura e Planeamento Físico da UEM criaram o “Laboratório de Espaços Partilhados”.

O objectivo é discutir o quotidiano dos espaços partilhados dos bairros de Maputo, buscando caminhos para aproximar, redefinir e planificar iniciativas participativas ligadas ao património cultural.

O programa está desde o dia 18 até 29 deste mês, a dirigir um conjunto de conversas centradas na questão dos espaços partilhados. No evento, a decorrer no Museu Mafalala, em Maputo, estão a ser discutidos temas atinentes à criação, gestão transformação e conservação de espaços públicos.

No segundo dia do “Laboratório de Espaços Partilhados”, as atenções estavam voltadas à temática das “Redes e Acções”. A propósito do assunto, intervieram Nuno Flores (Fundador da iniciativa Outros Bairros, a partir de Cabo Verde), Murad Vaz (docente da Universidade do Paraná BR) e Moisés Francisco (estudante de Arquitectura pela UEM erepresentante da Kaya Clínica, organização que trabalha com o reordenamento urbano), Gabriele Tardivo, sob dinamização de Jéssica Lage (representante da Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico da UEM).

Segundo a arquiteta Ana Silva Frenandes, membro do conselho organizador do “Laboratório de Espaços Partilhados”, o programa também tem o objectivo de promover o intercâmbio entre os projectos e práticas levadas a cabo por organizações ligadas à questão do planeamento físico. No fundo, explica, é uma reflexão conjunta que se está iniciar.

“A cultura ultrapassa os bens materiais, construídos e edificados, para ser também intangível e imaterial. É um espaço partilhado que já existe, a partir do qual se pode trabalhar e responder algumas demandas sociais”, disse.

Artigo anteriorMostra de Internacional de Cinema em Maputo
Próximo artigoFé ou Fecalidades?
Encontra no jornalismo um espaço fértil para alimentar o gosto de narrar factos e partilhar experiências do dia a dia. Estudante finalista pela ECA-UEM, vê na leitura e escrita ferramentas indispensáveis para contar hi(e)stórias, exteriorizar-se e conduzir o mundo pelo caminho da luz e da boa convivência entre pessoas. Também tem formação técnica em Jornalismo e Multimédia e colabora com a plataforma Mbenga desde 2019. Tem, ainda, textos publicados em diversos semanários nacionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here