O presente desafortunado de Baltazar acusa o passado

0
128
Baltazar Fortuna (Horácio Guiamba). Fotografia de Júlio Marcos.

Há quem deixe com o tempo a missão de curar as feridas interiores. Há feridas na alma que jamais cicatrizam e a dor persegue o Homem. E de tempos em tempos, despropositadamente a dor surpreende a consciência e infecta todos os pensamentos gerando uma atmosfera escura, nostálgica (até do futuro).

Baltazar Fortuna (Horácio Guiamba), farto dessas dores – não há químico nem erva que resolva -, vê na morte a solução definitiva. Mas não é a sua morte, é a das três mulheres que amou e odiou. Derrotado de si próprio, resta-o acreditar que elas cravaram um anzol – desse passado que os une – na sua pele que o perfurou até a carne do espírito.

De chapéu elegante de seda, blazer amarelo, uma camisa vistosa, relógio e toda a quinquilharia da estirpe, Baltazar Fortuna é o protagonista da peça de teatro “Chovem amores na rua de matador”, que está em temporada este mês no Centro Cultural da Universidade Eduardo Mondlane (CCU – UEM).

Quando as cortinas baixam para este espectáculo, que resulta da encenação de Maria Clotilde e Vitor Gonçalves, é a representação de um texto original de Mia Couto – que o adaptou – e Eduardo Agualusa que a plateia vê. O título da peça é homónimo ao conto, extraído do livro “Terrorista elegante”, coassinado com os escritores referidos.

Desgostoso com o seu presente, Baltazar Fortuna tomou a estrada rumo a Xigovia, para enterrar o(s) seu(s) passado(s) a sete palmos, literalmente. É movido pela convicção de que assassinar as três mulheres com quem se envolvera em diferentes momentos dos seus 49 anos é a solução.

Escrevo-vos sobre um galã da town (urbano), bom de lábia, como se percebe nos longos monólogos em que, aliás, nos esclarece que sabe que está a ser visto por uma plateia.

Ao chegar a vila de Xigovia, terra dos prometidos assassinatos, dirige-se de imediato a residência de Mariana Chubichuba (Violeta Mbilane), depois da Judite Malimali (Angelina Chavango) e, por fim, Ermelinda Feitinha (Josefina Massango) e a sua filha (Helena Tembe). Em todas as casas – cujo cenário desenhado pelo arquitecto Évaro Abreu as representa com três portas e janelas no fundo do palco – amoleceu e falhou o seu plano.

Na sequência de cada encontro há um momento de monologo de cada uma das mulheres, nos quais elas reavivam lembranças que nos revelam o lado escuro e também encantador de Baltazar Fortuna. Embora o texto parta de um porto comum na arte, que é o amor, navega com humor, pelos territórios do aborto, do abandono, do jetssetismo e outras mazelas que configuram as nossas vivências de baixo do sol.

O elenco composto por actores experimentados e iniciantes, enfrentou um público em pleno CCU depois da sangria que foi a pandemia para este sector das Indústrias Culturais e Criativas cronicamente precário, que é o Teatro. Outra conversa. O essencial é que depois de vários meses sem contacto com o público, o grupo voltou aos palcos nesta peça, que é a primeira iniciativa do género da Fundação Fernando Leite Couto, que tem privilegiado o teatro na sua programação, como aliás comprova a sua agenda mensal e o anual Cenas Curtas.

Na flor do encanto a audiência batia palmas no decorrer da peça, sobretudo quando as mulheres deixavam o centro do palco para dar lugar a outras cenas. Esta atitude apesar de ser um retorno positivo sobre o que se acaba de ver, numa estreia pode desestabilizar os actores que sempre ensaiaram numa sala fechada, sem esse contacto com o público. O elenco contornou os aplausos.

Horácio Guiamba foi ao palco como que com o objectivo de confundir a voz do personagem do livro com a sua. Foi o dono de tudo e da circunstância, encarnando de tal modo que, alguém, ao meu lado que já leu o conto comentou: até parece que quando Agualusa e o Mia escreviam, pensaram nele para representar o texto em teatro.

A minha surpresa foi Violeta Mbilane, que nos transporta as suas dores de mulher abandonada pelo homem que amou, numa interpretação que apesar da falha, a dado momento, ao chamar Baltazar Fortuna quando deveria ser o seu falecido marido Hermelindo, teve uma exibição de realce, a esclarecer que há uma geração que quer continuar a trilhar o legado de uma Ana Magaia – que estava na plateia – ou Lucrécia Paco.

Josefina Massango e a sua capacidade de nos fazer confundir ela e a personagem, pela naturalização ou apropriação – seja como for – da mulher que representa. Um momento confuso é quando se levanta da cadeira de rodas e põe-se em pé, firme.

 Francisco Baloi, também ele actor e encenador – estudante da Escola de Comunicação e Arte da UEM – que vai dando os seus primeiros passos nos trabalhos de luz, foi conduzindo a plateia ao foco da cena e sem muito colorido na sua alternância conseguiu criar um ambiente emocional para a plateia.

Sara Machado fez os figurinos, Ademar Chauque, a coreografia. Pedro da Silva Pinto fez a sonoplastia com música de Shigeru Umebayashi. Clotilde Guirrugo e Pablo Ribeiro estão na Direcção de produção.

Artigo anteriorChoveram amores em Maputo
Próximo artigoTambores rufando ao sabor dos ventos do Prémio Camões 2021
É licenciado em Jornalismo, pela ESJ. Tem interesse de pesquisa no campo das artes, identidade e cultura, tendo já publicado no país e em Portugal os artigos “Ingredientes do cocktail de uma revolução estética” e “José Craveirinha e o Renascimento Negro de Harlem”. É membro da plataforma Mbenga Artes e Reflexões, desde 2014, foi jornalista na página cultural do Jornal Notícias (2016-2020) e um dos apresentadores do programa Conversas ao Meio Dia, docente de Jornalismo. Durante a formação foi monitor do Msc Isaías Fuel nas cadeiras de Jornalismo Especializado e Teorias da Comunicação. Na adolescência fez rádio, tendo sido apresentador do programa Mundo Sem Segredos, no Emissor Provincial da Rádio Moçambique de Inhambane. Fez um estágio na secção de cultura da RTP em Lisboa sob coordenação de Teresa Nicolau. Além de matérias jornalísticas, tem assinado crónicas, crítica literária, alguma dispersa de cinema e música. Escreve contos. E actualmente, é Gestor de Comunicação da Fundação Fernando Leite Couto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here