Motus corporis celebra dança no “Franco”

0
262

Motus corporis é a proposta de performance dança que Lulu Sala e o videógrafo Ivan Barros vão apresentar na sexta-feira na página Facebook e no canal YouTube do Centro Cultural Franco-Moçambicano, às 18h30.

Em 20 minutos de espectáculo, reflecte-se um conjunto de experiências acumuladas pelo bailarino ao longo dos anos. A peça, ainda em construção, é uma espécie de um sonho do bailarino, que recorre à arte de palco para partilhar vários estilos de dança que tem aprendendo

Através da performance que retrata uma viagem num sonho que envolve vários ritmos, como Hip-Hop, as danças tradicionais moçambicanas e as danças latinas, o bailarino e coreografo Lulu Sala e o videógrafo Ivan Barros celebram o DIA MUNDIAL DA DANÇA, 29 de Abril.

“A questão do distanciamento complicou muito, até porque estivemos a trabalhar num período em que as coisas estavam suspensas”, disse Lulu Sala, em entrevista ao “O País”, a descrever que no espectáculo é visto de ângulos diferentes. Só foi possível porque “contei com uma excelente equipa de trabalho”, assume.

Tratando-se de um trabalho em processo, feita esta apresentação, segue o trabalho com o objectivo de apresentar, ainda este ano, uma versão mais longa de Motus corporis, nas salas de cinema.

Bailarino e coreógrafo experimentado, Lulu Sala é fundador da companhia de dança “LS Danse Network”, através da qual apresenta os seus trabalhos.

É professor e coordenador do MoNo, curso de formação superior em dança na Universidade Pedagógica. Trabalhou durante 10 anos na Companhia Nacional de Canto e Dança, grande parte dos quais como bailarino principal.

Tem colaborado com numerosos grupos ligados ao canto e dança, nomeadamente “Nafro Dance Production e Xcompany” (Canadá), Milorho, Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF) e Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul. Já participou em digressões internacionais e dançou ao lado de coreógrafos renomados como Casimiro Nhussi, Donald Byrd, Chuck Davis, Jawole Whila Zollar, David Zambrano, Kwame Rose e Michelle Moss.

Artigo anteriorBanda Sitila de volta ao palcos no 16 Neto
Próximo artigoWorkshop sugere soluções criativas para o novo normal
É licenciado em Jornalismo, pela ESJ. Tem interesse de pesquisa no campo das artes, identidade e cultura, tendo já publicado no país e em Portugal os artigos “Ingredientes do cocktail de uma revolução estética” e “José Craveirinha e o Renascimento Negro de Harlem”. É membro da plataforma Mbenga Artes e Reflexões, desde 2014, foi jornalista na página cultural do Jornal Notícias (2016-2020) e um dos apresentadores do programa Conversas ao Meio Dia, docente de Jornalismo. Durante a formação foi monitor do Msc Isaías Fuel nas cadeiras de Jornalismo Especializado e Teorias da Comunicação. Na adolescência fez rádio, tendo sido apresentador do programa Mundo Sem Segredos, no Emissor Provincial da Rádio Moçambique de Inhambane. Fez um estágio na secção de cultura da RTP em Lisboa sob coordenação de Teresa Nicolau. Além de matérias jornalísticas, tem assinado crónicas, crítica literária, alguma dispersa de cinema e música. Escreve contos. E actualmente, é Gestor de Comunicação da Fundação Fernando Leite Couto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here