O que acharia disto o desconhecido de Paris?

0
241

“Água de Beber”, composta por António Carlos Jobim, com a letra escrita por Vinícius de Moraes, na recriação da também brasileira, Thais Morrel, rola no youtube, através do Iphone, conectado ao home theater.

De uma beleza cuja descrição endeusaria qualquer prosista, poeta e até filósofo, Rosita olha-se no espelho. Nem o linho que a cobre disfarça o seu corpo de vertices devidamente concebedidos e as carnes cuidadosamente distríbuidas. Da camisa, com alguns botões abertos, espreita a obediente seda que, rigorosamente, cumpre a forma dos contornos que preserva, destacando onde, de certeza, se gera a surra, que sabe à doce, quando vertida pela manhã ou no fim do dia. O tecido desenha bolinhos cujo ingrediente principal é esse embreagante líquido.

Naquele rosto claro acende um sorriso. No espelho da casa de banho, ela observa os lábios para certificar-se que o vermelho do baton combina com o que veste.

Em passos lentos, caminha para à sala de estar, repleta de esculturas, pinturas e livros, alguns encadernados em couro. Rosita para e contempla a rica discoteca que até conta com um volumoso acervo de vinis de Tom Jobim, Chico Boarque, Caetano Veloso, João Gilberto, inclusive versões com Stan Getz e as incursões de Frank Sinatra. Para não falar de Fany Mpfumo.

Rosita vai em direcção aos discos, a pensar na play list. Imagina-se a ouvir o clamor de “Mama Africa”, que vertem na voz, guitarra e composição de Albino Mbie. A espiritualidade daquela música soa-lhe algo zione. É como se fosse arrebatada desta dimensão. Experimentasse outro mundo, outra galáxia, que nem Einstein cogitara. Naquela guitarra, o compositor exprimiu um sentimento de pesar, numa capacidade digna de génios que o mundo viu poucos. Talvez por isso a sua paixão por ele, por não conseguir decifra-lo, quando a despe, a excita, e abusa do seu corpo bem-feito, só pela sua criação.

Cabelo crespo, curto, um metro e qualquer coisa abaixo de 70, pele clara, formato do rosto…hm..não sei. Confesso. Mas é belo. Mesmo de óculos.

Sob o tapete turco, tecido manualmente em Isparta, acomodado num tripé, o pano branco emoldurado, do lado direito, numa cadeira similar a da pintura de Van Gogh, está o prato dos guaches, aguarelas, lápis à carvão, tinta de óleo e o píncel. Do seu lado esquerdo, Malangatana, num retrato, de camisola, a observa. Ela carrega esse peso.

Depois de verificar as notificações no Facebook, visitar o perfil da Yolanda no Instagram e certificar-se que o João viu seu status no whatsapp, troca a música. Quer ouvir o Jorge César do Nondje. Pim Pam Pum. Não sabe por quê, mas a alma pede, clama. De joelhos, implora. Rosita obedece.

Não se dando por satisfeita, opta por “Ayokuxenga”. Vibra! Embora com apenas 24 anos, desde a primeira vez que a ouviu, sente saudade daquele tempo em que a música foi gravada. Sempre sentiu que a sua alma tem forte conexão com valores anteriores a sua geração. Rosita está para os “entas”. Seus dentes brancos e reluzentes espreitam entre os lábios, que logo são cobertos pela mão direita. O riso disperso pelo rosto arregala os seus olhos grandes. Então perde-se em pensamentos.

Ela sabe que o mundo está debater-se com instituições e padrões de vida separados. Constatou que a humanidade contemporânea enfrenta algumas dificuldades por estar presa aos padrões de pensamento e sociabilidade modernos quando as lógicas actuais já indicam mudanças estruturais nas sociedades ocidentais – nós cá dentro, em termos de forma de pensar, na medida em que as nossas referências ainda são eles. So what?” (nem o Davis respondeu-nos!). É a pergunta que soa. E Rosita ainda não sabe o que vai pintar.

Bebe um trago de covorsey (`?), o líquido do conhaque castanhiza o copo redondo, transparente. Ella Fitzgeral, de mãos dadas com Louis Armstrong, a convida para “April in Paris”, naquela sua elegante delicadeza. Peculiaridade que alimentou a utopia negra dos EUA sobre a possibilidade da coabitação das raças em igualdade de circunstância. So What? Frantz Fannon que os responda!

 Seus lábios se descobrem sedentos de um beijo. Um repentino calafrio inunda-a, percebe que os pelos estão esticados, as pernas tremem, mal aguenta os joelhos, apoia-se no sofá. Na calcinha escorre um líquido, é uma lágrima da alma que se descobre desarmada. Rosita sente, de leve, sua mão queixar-se de um vazio, sente o vazio de uma estrutura rigída a cruzar-lhe os carnudos lábios cor de rosa.

Descobre seu corpo derrotado pela sede daquele abraço, daquele entrelaçar de almas que lhe tritura a espinha. No fundo passea o charme da voz de Armstrong, precedida pelo solo de trompete. É como se Rosita atingisse orgasmos. Mas não passa do quase. Sua fome é carnal. Está sozinha em casa. Nem Nina Simone a salva com Feeling Good. Nem!

Busca forças em Al Jarreau, que lhe canta “So good”. A pintura não quer vir, se quer pegou no píncel, até sentir o jingar do intérprete a cantar “Água de beber”. Acende a luz: cor azul. Pousa o píncel sob a tela e deslisa a tinta na zona superior do pano branco, emoldurado.

O convite à Paris ainda ecoa no seu pensamento. A sede daquele beijo ainda a consome. Está sedenta. Até dá dó ver uma deusa carecendo, quase que de forma apelativa para não afirmar patológica, pela satisfação daquele beijo. Ildo Nandja, compreensivo, sugere-lhe, no ouvido: “Flores no jardim”. Rosita liberta-se. Em pé, quis gritar e recordou que já não profere palavrões. Engole. Rosita sorri e, antes de traduzir a sugestão em pintura, pergunta-se : o que acharia disto, o Desconhecido de Paris?

lEONEL2

Acredito que pequenos gestos podem mudar o mundo. Encontrei no Jornalismo a possibilidade de reproduzir histórias inspiradoras. Passei pela rádio, prestei assessoria de imprensa a artistas e iniciativas. Colaborei em diversas página culturais do país. Actualmente sou repórter do jornal Notícias. A escrita é a minha arma”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here